“A mudança vai ser grande por lá”, afirma Pontes sobre Alcântara

Na tarde desta quarta-feira (4), o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, esteve na Câmara onde falou sobre a expansão da base de Alcântara, no Maranhão, conforme acordo entre Brasil-EUA aprovado em novembro deste ano que permite a exploração comercial da base. Na ocasião, ele afirmou para deputados de quatro comissões (Cultura, Ciência e Tecnologia, Relações Exteriores e Direitos Humanos) que a expansão da base será discutida com as comunidades.

“É natural as pessoas terem medo. Medo da mudança. Mas o fato é que a gente quer prosseguir e ter sucesso em alguma coisa, a gente vai precisar provocar a mudança. Se a gente continuar fazendo as coisas da mesma maneira, a gente vai ter o mesmo resultado. Então a gente precisa provocar a mudança. E a mudança vai ser grande lá, mas vai ser positiva", disse Pontes.

>Comissão aprova aumento do fundo eleitoral, que chega a R$ 3,8 bi

Segundo matéria do Congresso em Foco, na região vivem pelo menos 800 famílias que podem ser expulsas, conforme informações cedidas pela Coalizão Negra Por Direitos.

Segundo Pontes, após a aprovação do acordo a próxima etapa seria melhorar a infraestrutura local.

Para a deputada Luiza Erundina (Psol-SP) , "há vazio de cumprimento de normas". Ela rebateu a fala do ministro, afirmando que as comunidades quilombolas ainda não foram ouvidas na região. "Isso é uma deficiência grave por conta de haver uma decisão de um órgão internacional, um órgão da ONU, que não foi atendida numa convenção da qual o país é subscritor", disse Erundina.

Pontes afirmou acreditar na adesão das famílias e prometeu mudanças "positivas". Ele disse ainda que o ano de 2020 será para se discutir a expansão da base com a população.

>Senadores aprovam reforma da Previdência dos militares

*com informações da Agência Câmara.

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!