Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Deputados e senadores investigados no STF – Rio Grande do Norte

Rio Grande do Norte


Deputados:


Fabio Faria (PSD): Investigado no inquérito 4452, por corrupção e lavagem de dinheiro. Delatores da Odebrecht afirmam que repassaram R$ 100 mil ao deputado, por meio de caixa dois, em sua campanha eleitoral de 2010.

Felipe Maia (DEM): Inquérito 4399, aberto com base nas delações da Odebrecht na Lava Jato também contra seu pai, o senador José Agripino Maia. É suspeito de receber da empreiteira, via caixa dois, R$ 50 mil. O relator do inquérito, Edson Fachin, pediu à PGR que se manifeste sobre a eventual prescrição dos crimes. A Procuradoria-Geral da República não havia se pronunciado até o fechamento desta edição. “Ratifico minha disposição em colaborar com a Justiça”, diz Felipe Maia.

Rogério Marinho (PSDB): O relator da reforma trabalhista responde a cinco inquéritos (3386, 3026, 4168, 4474 e 4484), por corrupção, lavagem de dinheiro, crimes contra a ordem tributária, peculato e falsidade ideológica. O primeiro procedimento apura indícios de envolvimento do deputado com uma empresa terceirizada, em Natal, acusada pelo Ministério Público do Trabalho de coagir funcionários demitidos a renunciar às verbas rescisórias e a devolver a multa do FGTS.

 

Senadores


Garibaldi Alves Filho (PMDB)

Inquérito 4440. Delatores da Odebrecht na Lava Jato afirmam que a empreiteira repassou, na forma de caixa dois, R$ 200 mil para a eleição do senador em 2010.

José Agripino (DEM)

Presidente nacional do DEM, é acusado por um delator de receber R$ 1 milhão de um esquema de fraudes no Detran-RN (inquérito 4011). Ainda é alvo dos inquéritos 4141 e 4184, por corrupção, e 4399. No primeiro, é suspeito de ter recebido propina de executivos da OAS em troca de favores na construção do estádio Arena das Dunas, em Natal. No segundo procedimento, responde por peculato pela contratação de um funcionário fantasma em seu gabinete. Já no último inquérito, baseado nas delações da Odebrecht na Lava Jato, é suspeito de ter recebido da empreiteira R$ 100 mil para sua campanha eleitoral. O caso também envolve seu filho, o deputado Felipe Maia (DEM-RN). O relator do inquérito, Edson Fachin, pediu à Procuradoria-Geral da República que se manifeste sobre a eventual prescrição dos crimes atribuídos ao senador.

A assessoria do senador disse que ele não faria, a respeito do tema, nenhuma manifestação nova. O senador tem negado todas as acusações lançadas contra ele.

Especificamente sobre a questão envolvendo o Detran-RN, em nota à imprensa, Agripino afirmou não entender as razões que levaram à “reabertura deste assunto” no STF. Ele diz que o próprio acusador já o havia isentado de participação no esquema. A fraude, de acordo com delação de empresário, envolvia o pagamento de propina a integrantes do governo do Rio Grande do Norte entre 2008 e 2011.

 

 

-------------- OUTROS ESTADOS ------------