PF entrega inquérito contra Rodrigo Maia; PGR decide se aceita em 15 dias

A Polícia Federal enviou nesta segunda-feira (26) ao STF (Supremo Tribunal Federal) inquérito finalizado contra o presidente da Câmara dos Deputado, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A PF afirma que há "elementos concretos e relevantes" de que o demista cometeu corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os crimes foram imputados ao presidente da Câmara em delações de executivos da empreiteira Odebrecht.

O inquérito da PF afirma que Maia e seu pai, o ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia (DEM) receberam contribuições indevidas nos anos de 2008, 2010, 2011 e 2014.

O relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, remeteu (íntegra) o processo para análise da Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, que deve apresentar a denúncia ou arquivamento em 15 dias.

Em nota, Maia negou a acusação e disse que todas as doações recebidas nas suas campanhas eleitorais foram solicitadas dentro da legislação, contabilizadas e declaradas à Justiça. Veja a íntegra do esclarecimento divulgado pelo presidente da Câmara:

“Sobre o relatório apresentado pela Polícia Federal, volto a afirmar que todas as doações que recebi em minhas campanhas eleitorais foram solicitadas dentro da legislação, contabilizadas e declaradas à Justiça. Nunca houve pagamentos não autorizados por parte da Odebrecht ou de qualquer outra empresa. A conclusão do relatório da Polícia Federal, portanto, não tem embasamento fático, comprobatório ou legal, já que foi baseado exclusivamente em palavras e planilhas produzidas pelos próprios delatores. Eu confio na Justiça e estou seguro que os fatos serão esclarecidos, e este inquérito, arquivado.”

>Um em cada três deputados é acusado de crimes. Veja a lista atualizada dos investigados

>Mais da metade do Senado é acusada de crimes. Veja a lista atualizada dos investigados

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!