Operação da Polícia Federal apura desvios em hospital de campanha do CE

A Polícia Federal iniciou, na manhã desta terça-feira (3), a "Operação Cartão Vermelho", que apura desvios de verba pública na construção do hospital de campanha de Fortaleza, aberto para ampliar a oferta de leitos no enfrentamento da pandemia da covid-19.

Os 27 mandados de busca e apreensão sobre o hospital, que foi montado no estádio Presidente Vargas e que atendeu a capital cearense, se baseiam em investigações que começaram em junho deste ano.

Segundo a PF, houve indícios de atuação criminosa de servidores públicos da secretaria municipal de saúde da cidade, assim como de gestores, empresários e membros da empresa paulista escolhida para a operação. A operação ocorre também nas cidades de São Paulo e Pelotas (RS).

A investigação da Polícia Federal demonstrou "indícios de fraude na escolha da empresa contratada em dispensa de licitação; compra de equipamentos de empresa de fachada; má gestão e fiscalização da aplicação dos recursos públicos no hospital de campanha e sobrepreço nos equipamentos adquiridos". Segundo os policiais, o prejuízo estimado aos cofres públicos com o caso de Fortaleza é de R$ 7 milhões.


> Estamos caminhando a passos largos para o precipício, diz Maia
> Em SP, dois terços reprovam veto de Bolsonaro à Coronavac, indica pesquisa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!