Megaoperação aponta desvio de R$ 125 milhões na saúde no DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Polícia Civil do DF (PCDF) deflagraram uma megaoperação na manhã desta quinta-feira (10) em quatro unidades da federação:  Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.

>Senadores cobram fim do voto secreto e se queixam de represálias de Davi

A operação investiga fraudes cometidas pela Secretaria de Saúde do DF na compra de equipamentos hospitalares entre os anos de 2009 e 2015, em gestões anteriores. Não há relação entre essa operação e contratos relacionados à pandemia de coronavírus.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) é responsável pela coordenação das investigações. Entre os mandados expedidos, pelo menos seis são de busca e apreensão na sede de uma das empresas fornecedoras e na casa de seu proprietário em São Bernardo do Campo (SP).

A operação denominada Gotemburgo teve origem a partir do compartilhamento de provas obtidas na Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Os indícios apontam para um esquema criminoso no DF e em outros estados de vendas de atas de registro de preço cadastradas pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia. O esquema, segundo o Ministério Público, era coordenado pelo ex-secretário de Saúde Rafael de Aguiar Barbosa. O Congresso em Foco não conseguiu localizar a defesa do ex-secretário.

As investigações identificaram irregularidades em 11 processos licitatórios feitos pela Secretaria de Saúde do DF. Os desvios, de acordo com os investigadores, chegam a R$ 123 milhões, recursos enviados para contas bancários no exterior.

>Fogo no Pantanal atinge área equivalente a nove cidades de São Paulo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!