BMG lidera mercado e tem 23 mil queixas nos Procons

Eduardo Militão
Hoje, o BMG é o líder no filão do crédito consignado. Tem mais de 20% de um  mercado de R$ 27 bilhões, segundo dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para cuidar de tudo, são 16 agências e 491 funcionários. Com lucro superior a R$ 200 milhões, o BMG patrocina grandes times de futebol, como o São Paulo e o Atlético Mineiro.


Em 2003, antes de entrar no negócio, o lucro do banco era de R$ 90 milhões. Em campo no ramo do crédito com desconto em folha, os lucros triplicaram em 2004 e chegaram a R$ 275 milhões. Ao mesmo tempo, o BMG virou líder nas reclamações, segundo o Banco Central, numa análise entre as pequenas instituições financeiras. No ano passado, a instituição financeira lucrou R$ 253 milhões e, em abril deste ano, mantém a terceira posição no ranking de queixas do Banco Central.


Nos Procons de todo o país, o BMG e suas controladas superam as 23 mil reclamações fundamentadas, segundo o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), do Ministério da Justiça. Em São Paulo, por exemplo, são 1.871 queixas, sendo 35% sobre consignados. Em Minas Gerais, sede da empresa, as queixas chegam a 6 mil. Em Goiás, são mais de 3.500.


De acordo com a coordenadora do Núcleo de Superendividamento do Procon de São Paulo, a economista Neide Ayoub, o BMG se destaca entre as instituições alvos de reclamação do consumidor. Entre 2007 e abril de 2009, foram mais de 500 reclamações. O segundo colocado, o banco Cruzeiro do Sul, tinha 230 queixas. O Pan Americano, um valor próximo disso.


Ágil


Em nota ao Congresso em Foco, a assessoria do banco fez relação entre as reclamações e o fato de liderar o mercado do empréstimo com desconto em folha de pagamento. ?Reiteramos que o BMG vem tratando suas demandas de maneira ágil e sempre buscando a melhor solução para cada caso, respeitando o seu cliente e a legislação vigente?, diz o texto.


A assessoria do banco enfatizou que, ao contrário de Lula e Amir Lando, o BMG não foi incluído entre os réus de ação de improbidade administrativa na Justiça Federal que acusa o ex-presidente da República e o ex-ministro de favorecerem a instituição financeira com as autorizações para atuarem no filão do crédito consignado.


BMG, o líder do consignado


 






























 


2003


2004


Hoje


Lucro


R$ 90 milhões


R$ 275 milhões


R$ 253 milhões


(12º lugar)


Ativo total


R$ 2 bilhões


(58º lugar)


R$ 2,9 bilhões


(48º lugar)


R$ 11,5 bilhões


(18º lugar)


Patrimônio líquido


R$ 332 milhões


(53º lugar)


R$ 574 milhões


(37º lugar)


R$ 2,3 bilhões


(13º lugar)


Reclamações


- - -


36 (1º lugar)


32 (3º lugar)


 


Fonte: Congresso em Foco, com base em informações do Banco Central e Financenter


(1) Lucro, ativo e patrimônio líquido de "hoje" se refere a dezembro de 2010. (2) Reclamações de hoje se referem a abril de 2011. (3) Ranking de reclamações se refere aos bancos com menos de 1 milhão de clientes, segundo índice que  pondera reclamações fundamentadas de acordo com o número de clientes



A íntegra da nota:


"Nota do Banco BMG


O Banco BMG reitera que a ação do Ministério Público do Distrito Federal em questão investiga o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Previdência Social Amir Lando. O Banco não é réu em nenhum processo sobre esse assunto.


Sobre o número de reclamações, é importante pontuar que o Banco BMG é líder de mercado, com mais de 20% do crédito consignado do país. De qualquer forma, reiteramos que o BMG vem tratando suas demandas de maneira ágil e sempre buscando a melhor solução para cada caso, respeitando o seu cliente e a legislação vigente.


Vale ressaltar que o BMG possui canais de atendimento extremamente atuantes e sempre disponíveis para o melhor atendimento ao consumidor e que mantém uma equipe de colaboradores altamente capacitados e treinados para resolver qualquer questão com o máximo de eficiência e agilidade. O banco investe constantemente em tecnologia para tornar o atendimento com seus clientes cada vez mais transparente e eficiente."

Normas para crédito consignado prejudicaram idosos

Continuar lendo