“PT poderia ter apoiado Ciro Gomes em 2018”, afirma Paulo Paim

O senador Paulo Paim (PT-RS) avalia que não apenas seu partido mas o país poderia viver hoje uma situação melhor se os caminhos adotados na última eleição presidencial fossem outros. Nesta entrevista, que foi dada com exclusividade para a Revista Congresso em Foco, Paim, eleito o melhor senador do ano pelos jornalistas que cobrem o Congresso Nacional, avalia que o PT deveria ter ampliado seu leque de alianças, talvez mesmo abrindo mão de encabeçar a disputa eleitoral, em nome de um projeto maior.

Nomes como Eduardo Campos (PSB) em 2014 ou Ciro Gomes (PDT) em 2018 deveriam, segundo ele, ter sido considerados. Para o futuro, o petista segue pregando a necessidade dessa aliança. E alerta: a reforma da Previdência, promulgada nesta terça-feira (12), é a “maior crueldade” já cometida contra o povo brasileiro. Nas últimas semanas, Ciro tem elevado o tom dos ataques ao ex-presidente Lula, solto na última sexta-feira. Em entrevista exclusiva ao Congresso em Foco, o pedetista chamou Lula de “enganador profissional” e o responsabilizou pela “tragédia” que o país vive.

O senhor começou a trabalhar muito cedo. Aos oito anos, amassava barro numa fábrica de vasos. Qual é a sua opinião sobre o trabalho infantil? 

Acho gravíssimo. Eu combato muito o trabalho infantil e repito algo que não sou nem eu quem diz, são pensadores, professores. Lugar de criança é na escola. Eu sou praticamente uma exceção. São poucas as pessoas que conseguiram passar dessa situação tão deplorável de infância, vencer as barreiras e chegar onde nós chegamos. Enquanto que os  filhos dos mais poderosos desde pequenos se preparam, com as melhores escolas, os melhores cursos de formação, fazem estágio até no exterior e depois viram grandes executivos, ministros porque não dizer, seja deste ou daquele poder, parlamentares. Se dependesse de mim, eu não queria que nenhuma criança passasse pelo que eu passei. Não é que meus pais quisessem, eles não tinham condições. Ganhavam um salário mínimo e tinham dez filhos. Mas meu pai cobrava muito: “Tem que estudar”. Ele sempre dizia: “Quer vencer na vida? Faça três coisas: estude, trabalhe e seja honesto”.

O senhor foi à África do Sul pedir a liberdade de Nelson Mandela. Também fez parte de missões de paz na Nicarágua e no Uruguai pedindo a liberdade de presos políticos. O governo de Nicolás Maduro na Venezuela tem presos políticos e é defendido por parte do PT. Qual a sua visão sobre isso?

É a visão de quem preside a Comissão de Direitos Humanos do Senado, para a qual foi eleito e reeleito. Eu acho que todo humanista, que luta por políticas humanitárias, quer ver o bem das pessoas. Em qualquer parte do mundo, ele tem que condenar todo tipo de opressão. Eu nunca fui simpático a nenhum tipo de extremismo, seja de esquerda ou de direita. Os extremos acabam se encontrando de uma forma eu diria nada recomendável e até condenável em matéria de políticas humanitárias. Nós condenamos qualquer sistema no mundo que tolha a liberdade, persiga as pessoas.

Inclusive na Venezuela? 

Inclusive. O presidente da Venezuela  foi eleito em um processo democrático. Se ele tem hoje uma postura que fere o estado democratico de direito, para mim compete ao povo da Venezuela, via processo democrático, fazer a mudança de poder. Aqui no Brasil, hoje, nós estamos numa situação muito delicada, mas eu não deixo de reconhecer que Jair Bolsonaro  foi eleito num processo democratico. Se quem está no poder, no caso da Venezuela está tendo uma postura ditatorial que fere os interesses maiores daquele povo, se assim for a análise da população, eleições gerais e vamos ver quem é quem. Não compete a um país ou outro querer interferir.

Já há quem fale em um possível impeachment do presidente Bolsonaro… 

Eu tenho muito cuidado com essa história de impeachment. Todo processo de impeacment é muito traumático. É ruim para o país, ruim para a democracia, não respeitar o resultado das urnas. Eu acho que não é hora de se falar em impeachment. Nós temos que fortalecer o processo democrático. Porque ao mesmo tempo que uns falam de impeachment, há outros que defendem a volta do estado de exceção.

O senhor acha que a democracia brasileira corre risco?

Eu percebo, sim, a nossa democracia fragilizada. A democracia é tão sagrada para mim que, neste momento, acho que temos que estar todos unidos numa frente ampla em defesa dela. Acima de qualquer outra grande bandeira. Quando a gente vê fases como “com a democracia não vamos a lugar nenhum ”, isso me deixa muito indignado. Nenhum homem público pode dizer que com a democracia não se vai a lugar nenhum. Foi a democracia que o levou àquele ponto onde ele chegou. Temos que acariciar a democracia com se fosse a coisa, a questão mais importante do nosso país. A democracia está em risco e nós temos a obrigação de lutar por ela em nome de todo o povo brasileiro. E não cada um querer cuidar somente do seu ou de alguém que vote nele.

O PT teria alguma parcela de culpa nesse estado de coisas? O partido precisa fazer alguma autocrítica? 

Eu acho que autocrítica ninguém tem que ter vergonha de fazer. O PT cumpriu um papel importante na história do país. Desde o início no combate à ditadura até sua chegada ao poder. Mas acho que o PT deveria ter feito, no meu entendimento, uma política muito mais abrangente, naquilo que eu chamo numa visão de frente ampla, pelo Brasil e pelos conceitos que norteiam uma proposta de Nação comprometida com a nossa gente. Não dá para se achar que só é bom uma composição ampla quando se é candidato a presidente. Os dois mandatos do presidente Lula foram coisas que marcaram o pais perante o mundo. A gente se recorda de cenas como Barack Obama dizendo que Lula era “o cara”. Isso marcou e para nós é motivo de orgulho. Houve um segundo momento que foi a eleição da presidenta Dilma. Mas houve um terceiro momento em que nós devíamos ter avaliado que era necessário ampliar mais. Nós tínhamos Eduardo Campos. Era um nome a ser lembrado nessa composição mais ampla. Da mesma forma, Ciro Gomes. Ciro tinha que ser lembrado naquele momento da história.

O PT deveria ter apoiado Ciro em 2018?

Poderia ter sido. Quando digo que poderia ter sido, quero dizer que talvez fosse melhor para todos. Não estaríamos na situação em que nos encontramos. Digo mais: Lula está preso e hoje é consenso que foi uma prisão mais política que qualquer outra coisa. É claro que o Fernando Haddad (candidato do PT em 2018) foi um heroi, um lutador. Mas se o Ciro tivesse sido eleito, as possibilidades da liberdade do Lula para ajudar o Brasil seriam outras. Então, acho que nós cometemos alguns erros. Não dá para pensar em frente ampla somente se eu for o  candidato máximo no processo eleitoral. Se nós tivéssemos olhado mais com essa visão, acho que estaríamos em outro momento, bem melhor para toda a nossa gente.

O ex-senador Aluísio Nunes Ferreira, do PSDB, disse em entrevista que a Lava Jato manipulou o impeachment de Dilma Rousseff. O senhor concorda com esse papel da operação no afastamento da ex-presidente? 

Eu acredito que houve ali uma conspiração daqueles que perderam as eleições e consequentemente quiseram chegar ao poder pela via indireta. A Lava Jato teve um problema sério, e os vazamentos das conversas dos procuradores com Sergio Moro demonstram isso. Mas eu acho que a articulação foi muito maior naqueles setores que foram derrotados e achavam que, com a saída da Dilma e a ascensão do Michel Temer, voltariam ao poder no país. Deram com os burros n’água.

Nas entrevistas que deu para promover seu livro, o ex-procurador geral da República disse acreditar na honestidade da ex-presidente Dilma. Mas disse que Lula “é corrupto, sem dúvida”. O senhor acredita na honestidade do ex-presidente Lula? 

Até hoje, eu não vi uma prova concreta de que o presidente Lula cometeu algo que realmente comprove que ele seja ladrão. Os setores mais conservadores sabiam que Lula ganharia as eleições se concorresse. Então, foi tudo articulado para ele não se reeleger. Foi uma disputa de poder.

O senhor, que sempre teve atuação forte nessa área, qual sua avaliação sobre a reforma da Previdência? 

Quando eu terminar meu mandato, completarei quatro décadas de atividade parlamentares. Eu nunca vi uma crueldade tão grande contra o povo brasileiro. Um estudo mostra como o governo manipulou dados para aprovar a reforma e como as mudanças são muito nocivas para os trabalhadores do que se imagina. É uma reforma selvagem, cruel, muito pior do que a do governo Michel Temer. Só um exemplo da crueldade. Se alguém se aposentar em outubro, se aposenta com o salário praticamente integral. Mas se ele se aposentar em novembro, o cálculo não levará mais em conta as 80 maiores contribuições, mas somente toda a vida laboral. Isso fará ele ter um prejuízo de até 40% no valor. É justo isso? Por causa de um mês! Não há nenhuma regra transitória. E há diversos outros exemplos.

Por que a oposição não foi capaz agora de evitar essa reforma, como fez com a de Michel Temer? 

Algumas pessoas ganham o processo eleitoral por marketing e até por fake news. O governo investiu muito na propaganda de que essa reforma era essencial. Vendeu a imagem para a população que se a reforma não saísse, o desemprego aumentaria, pioraria a saúde, a educação, distribuição de renda. Que, com a reforma, haveria mais empregos. Eu quero ver se isso vai mesmo acontecer depois.

Mas não é preciso corrigir o déficit da Previdência? 

Eu discordo que esteja falida. Desde 2015, a Previdência sempre foi superavitária com R$ 50 bilhões por ano. Havia um ciaxa correspondente ao que já foi faturado nesse período que daria para manter o sistema.  E há outros argumentos que a gente pode usar. Só de sonegação, há R$ 600 bilhões por ano que podiam ser recuperados.

Assista a entrevista completa:

> Lula é alvo de pedidos de prisão preventiva

Campanha do Congresso em Foco no Catarse
Aluísio Nunes Ferreiraciro gomesEduardo Camposeleições 2018paulo paimPrêmio Congresso em Foco 2019PSDBPTreforma da previdênciaRevista Congresso em FocoSenadotrabalho infantil