Embrapa realizará testes para coronavírus. Trabalho será de 24 horas por dia 

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está preparada para realizar 43 mil testes por dia para diagnosticar o Covid-19. Os centros de pesquisa espalhados pelo país já possuem os equipamentos necessários. São os mesmos que identificam a presença de vírus em plantas e sementes. Mas tiveram que ser adaptados.

Em Brasilia, já estão a postos 120 voluntários, entre técnicos e analistas da Embrapa, para o trabalho. O ritmo será intenso, de 24 horas por dia, em três turnos de oito horas. O resultado das amostras também será rápido, em um dia.

"Temos 500 laboratórios, em 47 centros de pesquisa. Uma boa capilaridade nas regiões do país. Nesse

Presidente da Embrapa, Celso Moretti

momento de crise, estamos colocando mais uma vez a Embrapa à disposição da sociedade", disse Celso Moretti em entrevista à coluna.

Dengue e Zika

A empresa já vinha colaborando com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para a realização de testes para dengue e zika vírus.

O Ministério da Agricultura (órgão a que está vinculada) e o Ministério da Saúde acionaram a Embrapa para esta força-tarefa.

“Poucas pessoas imaginariam que a Embrapa, uma empresa de pesquisa agropecuária, poderia estar sendo estratégica também neste momento”, aponta Moretti.

Ciência

A coleta de amostras dos pacientes suspeitos será feita pelo sistema de saúde. Não haverá atendimento direto à população nos laboratórios da Embrapa. O trabalho será supervisionado pelo Ministério da Saúde.

"É numa hora como essa que se vê a importância da Ciência. É preciso investir em Ciência, ela está no dia a dia das pessoas. Nesta momento de crise, a  Embrapa quer contribuir e se colocar à disposição da sociedade brasileira", afirma Moretti.

Abastecimento de alimentos 

No próximo dia 27,  a Embrapa comemora 47 anos. Moretti fará um balanço de todo a contribuição científica da empresa ao setor.

O Brasil terá safra de grãos  recorde este ano. A produção de alimentos vindos da agricultura é 7 vezes maior que o consumo da população brasileira. Assim, os brasileiros não devem temer o desabastecimento.

"Nosso país saiu da situação de importador de alimentos , nos anos 70 , para hoje ser um dos maiores produtores e exportadores do mundo. E temos orgulho da trajetória de sucesso  da Embrapa que contribuiu para este resultado", conclui Moretti. Engenheiro Agrônomo, ele é pesquisador de carreira da estatal há 25 anos. E assumiu a presidência da empresa em julho de 2019.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!