Anitta barra Sara Winter no show das poderosas

As duas têm 27 anos, viveram grande parte da vida no Rio de Janeiro e tentam usar o carisma e a influência na política. Mas as semelhanças param por aí.  Em lados opostos, protagonizam os posts mais comentados sobre política no Brasil nos últimos dias.

Uma multidão de seguidores da cantora Anitta nas redes sociais começou a aprender com ela o que é fascismo. Enquanto Sara Winter, líder do grupo de extrema direita 300 do Brasil, foi presa hoje pela Polícia Federal em Brasília por financiar atos antidemocráticos.

Com as lives “Compreendendo a política”, Anitta passou a ser a terceira pessoa com mais engajamento nas redes sociais quando se fala em política no Brasil.

Na última eleição para presidente, a cantora admitiu que não conseguia se posicionar porque não entendia de política. “Ninguém me ensinou.”

Agora decidiu aprender e também a ensinar seu exército de fãs. Postura aberta e considerada positiva por usar suas redes sociais para levar conhecimento e não doutrinamento político.

Antirracista e antifascista 

As lives nas redes sociais começaram na quarentena, devido à pandemia pelo coronavírus. A cantora diz que quer aproveitar o tempo então para aprender. Anitta convidou a advogada criminalista Gabriela Prioli para ser sua professora e também de todos os seguidores.

Gabriela, amiga de Anitta, ganhou ainda mais popularidade sendo comentarista da CNN (Crédito: Reprodução redes sociais)

A rainha pop postou ser artista antirracista e antifascista para os seus 47 milhões de seguidores.

Na semana passada, a aula para “Entender o Fascismo” bateu recorde de audiência. “Eu estou apavorada ouvindo tudo isso”, disparou ela ao ter as aulas com Gabriela, que indica filmes para ajudar a cantora a entender a história política no Brasil e no mundo.

Anitta citou a série de sucesso mundial The Handmaid’s  Tale, O Conto da Aia, em português. “Na história, falaram que era preciso quebrar a constituição para combater o terrorismo. Depois as mulheres foram escravizadas. E quem disse que era verdade que esse terrorismo existia mesmo? E pior, quem tinha inventado isso era mulher, mas depois nem ela mesmo tinha voz”, comentou Anitta.

Ucrânia

Da ficção para a realidade, Sara Winter é porta-voz de ataques às instituições que garantem a democracia. Ex-feminista, chegou a receber treinamento na Ucrânia para ser ativista do grupo FEMEN e atuar contra a violência às mulheres. Mas abandonou a luta e foi desautorizada a representar o grupo.

Winter, cujo nome de batismo é Sara Geromini,  também é investigada no inquérito das fake news e por ameaçar ministros do STF.

Chegou a admitir que há pessoas armadas no grupo que lidera. Foi expulsa do DEM, partido no qual tentou se eleger deputada federal no Rio de  Janeiro. Teve cerca de 17 mil votos.

Já Anitta, pela avaliação de pesquisa da empresa Quaest, elevou sua influência nas redes sociais desde que começou a se posicionar politicamente. No levantamento, a maior cantora pop do país só ficou atrás do presidente Jair Bolsonaro, na primeira posição, e do youtuber Felipe Neto, o segundo na lista.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!