Congresso em Foco

Presidente da Câmara disse que a reforma é "urgente", mas não garantiu que a mudança será feita neste governo[fotografo]Fábio Góis / Congresso em Foco[/fotografo]

Maia contraria Bolsonaro e diz ser precipitado votar reforma da Previdência em 2018

30.10.2018 18:21 3

Publicidade

3 respostas para “Maia contraria Bolsonaro e diz ser precipitado votar reforma da Previdência em 2018”

  1. Valdir disse:

    Confesso que até hoje não fui convencido da necessidade de uma reforma na Previdência, sem que antes se faça uma auditoria. Assim como o BNDES, essa é outra caixa preta que precisa ser aberta.
    O setor público sabemos que é deficitário, visto o privilégio de benefício pelo valor integral e com o mesmo reajuste dos da ativa. Mas o setor privado não, e pelo que me consta a reforma do Temer mexe muito na aposentadoria do setor privado e muito pouco no setor público. Falta transparência!

    • Fábio disse:

      Valdir, concordo em parte.
      A reforma previdenciária é uma necessidade que se justifica por questões aritméticas e demográficas. O atual modelo foi criado quando as pessoas viviam menos, tinham sobrevida menor, havia maior natalidade e, por consequência, mais gente na ativa bancando os aposentados. Já li que, para o atual modelo ser sustentável, deveriam existir quatro pessoas na ativa para cada beneficiário do INSS, mas hoje esse número já é de dois e a situação apenas vai piorar, afinal as pessoas têm menos filhos e vivem mais hoje. Vários países passaram por essa reforma e já a adiamos muito. Não é normal, no restante do mundo, se aposentar aos 50 e poucos anos como aqui. Se as pessoas vivem mais, o ônus disso é também terem de trabalhar mais, não tem jeito. Não é uma questão ideológica, mas matemática mesmo.
      Além disso, a previdência ocupa hoje 60% do orçamento federal e é a grande causa do déficit público que já chega a 85% do PIB. Se não fizermos nada, é como se tivéssemos uma grande dívida no banco, rolando juros em cima dela, e não tomássemos nenhuma atitude em relação a isso. A previdência já compromete gastos com educação, saúde e outras áreas essenciais. Se não houver reforma, em não muito tempo a previdência ocupará todo o orçamento federal e não sobrará dinheiro nem para bancar o salário dos servidores da ativa, quanto mais para pagar SUS, Exército e tudo mais.
      Portanto, a reforma é uma absoluta necessidade. Sem ela, manteremos um gasto enorme que inviabilizará qualquer medida liberal que possa nos levar ao crescimento econômico, como o corte de impostos que Paulo Guedes pretende. A reforma é ruim, mas não fazê-la gerará uma tragédia, sem exagero. Hoje nosso maior problema econômico é a questão fiscal, pois o restante já está mais ou menos equalizado e pronto para o país deslanchar.
      Agora, eu concordo que existem problemas na reforma do Temer. A reforma previdenciária deve ser também uma questão moral. Ela deve submeter todos a um mesmo regime, por uma questão de justiça, inclusive. No modelo atual, o trabalhador sustenta as aposentadorias nababescas da elite do funcionalismo público. Devemos chegar a um modelo de previdência mais isonômico, em que todos se submetam ao mesmo regime. Todos devem dar a mesma cota de sacrifício, sem privilégios. Nisto eu concordo inteiramente e parece ser essa a ideia do Paulo Guedes.

      • Valdir disse:

        Bom dia Fabio! Os dias têm sido maravilhosos desde domingo!
        Não discordo que olhando a projeção, muito bem exposta por você, essa aponta para o desastre. O que no meu ponto de vista leva ao descrédito foram os fatos ocorridos durante esses 2 ou 3 anos de discussão sobre o tema:
        1 – Os próprios fiscais da Receita declararam há 3 anos atrás, que a Previdência não era deficitária, mas sim que seus recursos estavam sendo desviados para despesas outras que não as relacionadas a seus objetivos;
        2 – A essa mesma conclusão chegou a CPI da Previdência (li o relatório final inteiro);
        3 – Quando, já na administração Temer foi apresentada, houve resistência das FFAA, que foi imediatamente retirada da proposta, e logo a seguir houve pressão das outras instituições da área de segurança (PF, PM, PC, etc.) e também foram retiradas. En seguida dos servidores do Congresso. Foram retirados também;
        4 – Na atual proposta, muda-se a idade mínima, mas só para os trabalhadores da iniciativa privada. Para servidores públicos mantém-se as atuais;
        5 – Retira-se o acúmulo de aposentadoria (o que é um direito constitucional), sem aceitar, pelo menos, o que foi proposto pelo Paulinho da Força, de poder acumular até o teto do regime geral. É certo que quando um idoso perde seu cônjuge, ele entra em estado depressivo e seus custos aumentam, mas não tiveram essa sensibilidade. Benefício do regime geral, paga-se sobre teto, mas com o tempo chega-se no máximo a 50% do que seria de direito, enquanto no regime próprio é integral e reajustado no mesmo percentual dos da ativa.
        Em síntese, o que preocupa é que não há transparência total, e nada garante que as reformas (do jeito que “não” sabemos como está) realmente solucionarão o problema e estabelecerão igualdade para todos, ou se são apenas paliativos para transferir os problemas para as próximas gerações. A reforma necessária se restringe ao setor público, mas é no privado que estão exigindo mais sacrifícios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via