Live na quinta debaterá comportamento do governo Bolsonaro com servidores

Alessandro MolonCláudio Renato do Canto FarágFebrafiteFederação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos EstaduaisFonacateMaria Lucia FattorelliPaulo Guedespaulo paimprofessor israelRaquel CapanemaRodrigo Spadaservidores públicos
Comentários (3)
Comentar
  • Rafael Silva

    As pessoas apoiam essa reforma administrativa sem entender nada. A reforma não foca no que deveria: A EXTINÇÃO DE CARGOS COMISSIONADOS DE INDICAÇÃO POLÍTICA, sem isso vai acontecer um aparelhamento e qualquer governo que conseguir aparelhar virará um ditador, isso é lógica. Cargos comissionados são o câncer do país através deles é possível a corrupção e que se tenha o “toma lá da cá”. Funcionários públicos sem estabilidade não vão denunciar corrupções, a esmagadora maioria dos casos de corrupção são denunciados, investigados e punidos por servidores estáveis, isto é a única portinha que segura um pouco ainda a roubalheira, querem arrancar isso. Não sou contra a retirada da estabilidade e redução de salários desde que seja por mérito, mas fazer isso sem tirar estes cargos comissionados é um tiro no pé, vai afundar o país ainda mais.

  • Valdir

    O ministro tem total razão!
    No Brasil, servidor público não passa de parasita, péssimo prestador de serviço a seus Patrões e Clientes (o povo), e ainda consomem em remuneração, aposentadoria, benesses a si e seus familiares, a maior fatia de tudo que o governo arrecada. Tem que pôr um fim nesse sistema.
    E ainda ficam zangadinhos quando se mostram como vivem e atuam os servidores públicos de outros países.
    #ForaParasitas

    • Rafael Silva

      Você não entende do que fala. Não sou contra uma reforma mas o foco desta esta totalmente errado, vai levar o país a um caos em fim, como era antes de ter feito a constituição. Tem que focar na extinção de cargos comissionados de livre indicação politica, aqui está a entrada da corrupção, aqui está o toma lá da cá. Nos outros países desenvolvidos não há como aparelhar tudo como aqui.