Vídeo: a experiência de registrar durante dez dias a destruição do Pantanal

AmazôniabiomaForça Nacional de SegurançaIberê PérisséincêndiosindígenasInpeLeandro BarbosaMeio AmbientePantanalPolícia FederalProjeto Solosqueimadas
Comentários (3)
Comentar
  • Edison Sampaio

    O ser humano que vive na Amazônia, no Pantanal, ou em qualquer área de mata ou de preservação, tem que se alimentar, sobreviver. É hipocrisia dizer que a “mata em pé” tem mais valor do que se ela for eliminada, seja para o comércio de madeira, formação de pastagens ou exploração mineral, se o dinheiro não chega para a subsistência. Bem, o problema é complexo e eu não tenho solução para isso. Mas é fato que o homem está acabando com aquilo ali, sem tirar proveito algum. Pelo menos por enquanto. Também é fato que há muitos interesses escusos envolvidos, inclusive internacionais, assim como também é fato que a política ambiental em nosso país é ineficiente e tem piorado nos últimos tempos, agravada no governo do Capitão Encrenca, sob o ministério de Ricardo Salles. Mas o desmonte dos órgãos de fiscalização e controle já vem de décadas. Nos governos petistas o Meio Ambiente sofreu horrores. É só pesquisar para ver. Mas, por último, o governo Bolsonaro abriu a porteira para a devastação total. Hoje mesmo (28/09), a imprensa divulga: “Governo tira proteção de áreas de mangues e reservatórios de água – Foram revogadas hoje resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente que garantiam preservação de áreas de restinga e manguezais, de entornos de reservatórios d’água e que disciplinavam o licenciamento ambiental para irrigação. Ainda foi aprovada a queima de resíduos agrotóxicos e de lixo tóxico em fornos usados para a produção de cimento. Em 2019, o ministro Ricardo Salles diminuiu a participação da sociedade civil no Conama.”
    Não, não é imprensa da esquerda, da direita ou do meio. Isso é fato. A boiada está passando à vontade, sob o patrocínio do Capitão Encrenca, como se já não nos bastasse o que padecemos sob os governo petistas. A solução, apresento agora, é mudar nossa representação política. E a partir das próximas eleições municipais. Não podemos mais eleger quem já exerceu cargo púbico eletivo.

  • Jorge Teixeira Carneiro

    A maior culpa então é dos ”grandes fazendeiros” apicultores. Né? Ou então do carro que caiu no rio e botou fogo no rio.