Cientistas estrangeiros pedem à União Europeia restrição do comércio com o Brasil por violações ambientais

Acampamento Terra Livregoverno BolsonaroMeio AmbienteNações Unidaspovos indígenasrevista ScienceSônia GuajajaraUnião Europeia
Comentários (6)
Comentar
  • ALMANAKUT BRASIL

    Isso é um bando de parasitas sem-vergonhas, como a mídia pau-mandada gringa de esquerda que se instalou por aqui e ninguém sabe quem as sustenta, que ao invés de se preocuparem com alto consumo de drogas vindas da América LatRina, produzidas por muitos índios cocaleiros bandidos, ficam se metendo em países que não tratam essa gente com a hostilidade que merecem.

    São esses pilantras que acobertam os desastres ambientais que seus países cometem pelo mundo.

    Além do mais, deram muita terra para os índios brasileiros e os mantiveram no mato, sem a chance de produzir como merecem e de se integrarem na sociedade, como grandes empreendedores, inclusive enviando seus filhos para as cidades para manterem as suas culturas e difundirem cada vez mais para o resto do povo.

    O Brasil é lotado de nomes indígenas em quase tudo e ninguém aprende os significados nas escolas.

    Mas para aprender as línguas desses gringos pilantras, é obrigatório, mesmo que mal faladas.

  • Antonio C. Schnitzlein

    É fácil exigir dos outros que façam algo em seus quintais, principalmente quando se acha que isso vai ajudar “o planeta”.

    • Hendrik Oliveira van Dingenen

      como é mesmo que literalmente DAR nossos recursos naturais mais estratégicos pras estrangeiras vai ajudar o “brasil-acima-de-tudo”?

      • Antonio C. Schnitzlein

        Desculpe a demora em responder. Você não deve ter percebido eu estar apontando os cientistas como opinar facilmente o que outros povos devem fazer, principalmente quando eles não o fizeram em suas casas. Me ocorre outra sugestão: convidem os indígenas a viverem em seus países por 5 anos para aprenderem outros idiomas e deixar que nós cuidemos do nosso quintal.

  • WilliamFreitas

    Que esses cientistas estrageiros atuem em seus respectivos países. Nenhum deles tem densidade de vegetação para questionar nossa autonomia, em relação a nossa política doméstica ambiental.