Relator da reforma da Previdência dos militares defende aprovação integral do texto enviado por Bolsonaro

AeronáuticaExércitoForças Armadasgeneral Eduardo Garridogeneral fernando azevedo e silvaMarinhamilitaresMinistério da Defesareforma da Previdência dos militaresreforma dos militaresRodrigo MaiaSamuel MoreiraVinícius Carvalho
Comentários (3)
Comentar
  • Paulo Roberto

    O PL 1645 traz, em seu bojo, um problema crônico, que é o não contemplamento, pelos graduados, das vantagens obtidas pelos oficiais e, apesar de o Estatuto dos Militares estipular que as graduações de Subtenente (no Exército) e Suboficial (na Marinha e na Força Aérea) serem equivalentes, está igualdade não está retratada no referido PL, onde os ST tem seus cursos de aperfeiçoamento reconhecidos como Altos Estudos, o que não acontece com os SO e que acarretará, caso o PL seja aprovado, na íntegra, em uma diferença salarial de, aproximadamente, R$1.800,00, acabando com a paridade entre as graduações. Não obstante, os graduados que já estão na Reserva Remunerada serão novamente prejudicados, como foram os que foram para a R/R após a MP 2215.
    Diante de todos estes fatos, que parecem ser desconhecidos pelo Relator, seria de bom tom ele rever seus conceitos, buscar informações com o pessoal da base e procurar opções para trazer a PL para uma situação de mais justiça e igualdade para com os graduados e praças.

  • EMANUEL MEIRELLES

    Precisa ser melhorada. Privilegia o topo, e esquece a base. Essa pirâmide não fica em pé. Tem que ser melhorada.
    Ouçam o que a base tem a propor.

  • Nelson C. Souza

    E as Polícias nos Estados diferentes das Forças armadas, só poderão Lamentar seus salários minguados a cada ano.