“Você é uma pessoa horrível, mistura do mal com atraso e pitadas de psicopatia”, diz Barroso a Gilmar

bate-bocacármen lúciacrise brasileiradiscussão no SupremoGilmar MendesJudiciárioLuís Roberto Barrosopictures
Comentários (7)
Comentar
  • José Domingos Neves

    Dá-lhe Barroso. É isso aí.

  • Agnaldo Antônio Perez Nogueira

    Se a composição da Corte fosse decente sem indicação política, certamente teríamos Justiça. A classe de ladrões com mandato e a juizada vêm demonstrando de forma explícita o conluio no saque aos cofres públicos. A sociedade deve exigir mudanças estruturais na Gestão Pública.

  • Paulo

    Está claro a posição de cada um. Só não vê quem não quer.

  • Edison Sampaio

    Francamente, a gente fica envergonhado diante de um embate desses, especialmente por causa do pronome de tratamento utilizado entre os “gladiadores” (Vossa Excelência prá cá, Vossa Excelência prá lá). Muito antes, nesses momentos, se tratassem logo por Você e pronto, já que não conseguem manter o decoro. Acho que abusam da Tia Carminha, que é fraca para manter a compostura entre os artistas do teatro (pois aquilo ali é um teatro, convenhamos). É claro que a repercussão se dá por causa das imagens da TV Justiça, coisa que não deveria existir, para não matar a gente de vergonha. Sou de opinião que o acirramento de ânimos deve ser combatido com veemência por quem preside as sessões, mas antes o grande público não tomasse conhecimento disso. É vergonhoso.

    • Edison Sampaio

      Embora não tenha nada a ver com o tema, gostaria de aproveitar o ensejo para dizer que, durante o vídeo desse “embate”, observei que há “meirinhos” com a função de puxar as poltronas para as “excelências” de se levantarem ou se sentarem. É humilhante, para um simples mortal como eu. E quanto ganhará de vencimentos um funcionário desses? Se brincar, igual a um General!

  • luciano damiao

    Maldito Gilmar Mendes, boca de caçapa FDP..

  • Fábio

    O judiciário não é um poder alheio à sociedade. Por mais que os juízes devam decidir tecnicamente, não de acordo com a turba ruidosa, ainda assim a atuação jurisdicional, enquanto serviço público, deve conter um grau mínimo de legitimação social.
    Hoje a sociedade não se vê mais representada por Gilmar Mendes, e perdeu a fé em sua capacidade de decidir com isenção, afinal seus arroubos sentimentais são constantes. O mais digno seria que renunciasse.