Weintraub é convocado por senadores para falar sobre comentários em reunião

Abraham WeintraubDavi AlcolumbreJair BolsonaroMECMinistério da Educaçãoreunião ministerialRose de Freitasvídeo de reunião ministerial
Comentários (8)
Comentar
  • ALMANAKUT BRASIL

    A conhecida Casa dos Horrores que ficou nove meses parada em 2009 por causa de uma maldição de bigode do Boi-Bumbá, cujo a família inteira não foi para a cadeia, assim como estrume das Alagoas.

    Antes que o Brasil vire uma Iugoslávia comunistas despedaçada por uma guerra separatista, que os militares não errem mais, consertem os erros do pós-1964 e nunca mais deixem herança maldita para o futuro.

    Deve ter muitos senadorzinhos aí que gostavam de uma orgia em universidade pública, mas que precisam conhecer um “salinha de massagem” no Instituto Ustra.

    https://uploads.disquscdn.com/images/146b955fd83c29cbee907a287854d89768e2269463542aa80f5b4298c41cea50.jpg

  • Ernesto Freire Pichler

    Não passa de um calhorda, atacando sem argumentos o poder Supremo da República. Diz que defende a liberdade, mas liberdade de quê? Do patrão explorar o trabalhador, certamente, que é a liberdade típica do capitalismo.

  • Flávio G.

    Nada de mais: ele vai dar alguma desculpa esfarrapada e continuará tocando um dos ministérios mais importantes do país de forma incólume. Como sempre, no Brasil, quem responde por algo é quem não tem grana nem poder. De resto, dá pizza ao final!

  • Danielpqt22

    95% dos políticos deveriam estar presos, que vão de deputados municipais até STF!!!

    • Ernesto Freire Pichler

      A começar pelo Bozo e seus asseclas.

  • Jorge Lelis Pinholi

    E o que farão depois, ele provará que é verdadeiro o que falou. Ele não foi eleito, mas poderá ser em breve, pois falou como brasileiro.

    • Ernesto Freire Pichler

      Falou como um idiota. Como pode atacar o poder Supremo da República? Sem argumentos!

      • Jorge Lelis Pinholi

        Mas falou a verdade. Um supremo onde a característica predominante é o parentesco ou a amizade que tinham com os presidentes que os indicaram.