Governo quer acabar com tributação sobre folha salarial, diz secretário da Receita

governo BolsonaroLuís MirandaMarcos CintraPaulo Guedesreforma da previdênciareforma tributáriaRodrigo Maia
Comentários (3)
Comentar
  • Sérgio Dubiniak

    Estou com o Valdir…..
    Governinho sem vergonha…..taxar o o débito e o crédito é fácil…..
    Porque não mexe nas aposentadorias públicas…..porque somente eles tem aposentadoria integral….o quanto eles pagam de inss para terem estes privilégios….o coitado do contribuinte (privado) tem em vencimentos descontados o inss e muitas vezes não repassados a previdência (apropriação indébita)….
    Para mim estes governos são todos corruptos….ladrões….sempre pensando no próprio umbigo…..
    Esta para nascer neste brasil um intelectual que pense no povo…..que acabe com todas estas manobras……
    VIVA O BRASIL…..

  • Kaike Jackson

    Eu entendi direito? Quando eu passar 1000 reais no débito eu perderei 28,10 p o governo? “Segundo a ideia de Cintra, a Receita cobraria uma alíquota de 5,62% sobre todas as transações bancárias (2,81% taxadas no débito e 2,81% no crédito)”.

  • Valdir

    O rumo está correto. O que precisa para tudo dar certo é:
    1 – Fechar o STF;
    2 – Prender todos os corruptos, inclusive os que estão com mandato;
    3 – Limitar o teto salarial do país em 30 salários mínimos (vincular mesmo);
    4 – Acabar com aposentadoria integral e paritária dos servidores públicos (legislativo, executivo e judiciário). Todos no Regime Geral;
    5 – Acabar com os privilégios dos servidores públicos (legislativo, executivo e judiciário), como, “auxilio mudança”, “auxílio moradia”, “auxilio educação para filho de magistrados”, “auxilio paletó”, Bônus por produtividade (não fazem mais que a obrigação, e pior que essas remunerações entram no cálculo das aposentadorias), etc.
    O povo não aceita mais pagar mordomias a seus “empregados” e ficar na miséria.
    MUDA BRASIL!