Pastores suspeitos de corrupção no MEC estiveram 35 vezes no Planalto

Arilton MouracorrupçãoEscândalo do MECGilmar SantosJair BolsonaroMinistério da Educaçãopalácio do planaltopastores
Comentários (0)
Comentar