O que é cristofobia e por que faz pouco sentido Bolsonaro falar sobre isso

Assembleia da ONUAssembleia da Organização das Nações UnidascristofobiaJair BolsonaroONUUnB
Comentários (13)
Comentar
  • Sedrakh Osório

    Que matéria mais lixo.

  • Charles Alano Müller

    O site mente ao minimizar a cristofobia. O Bolsonaro falou de cristofobia numa contexto mundial (afinal era um evento da ONU) e não no Brasil. Como líder de uma país a falar à Assembleia Geral da ONU é natural que fale de um problema das nações. É mentiroso o argumento de que um líder não religioso não possa falar sobre cristofobia… afinal cristãos são seres humanos e a morte deles (por serem cristãos) é um assunto de direitos humanos, não somente de religião. Ou a ONU vai continuar fazendo vista grossa para o genocídio de cristãos que ocorre por vários países islâmicos e socialistas? Nigéria, China e Coreia do Norte são exemplos, mas se você lessem o site citado (Portas Abertas) veriam que a perseguição (que envolve censura, prisão, trabalhos forçados, tortura e morte) acontece em várias partes do mundo. E agora se espalha para países democráticos (se grupos anticristãos não estão no poder para fazer da cristofobia uma política de estado, como na China, vão atacando sorrateiramente), começa difundindo estereótiopos e preconceitos, depois vai para a ofensa à fé (às vezes sob disfarce do humor), depois para a destruição de símbolos e lugares de culto (como no Chile e nos EUA, com igrejas queimadas agora) e depois para a morte (como este ataque na França em plena missa). No Brasil, em SC, vilpendiaram uma igreja, é um teste.

  • Rodrigo Homer

    “Cristofobia”, essa é boa…o que eu mais vejo é gente que se diz cristã perseguindo e desrespeitando gente de outras crenças, principalmente agora, depois de 2018, quando um certo presidente eleito deu voz aos monstros que antes pelo menos tinham vergonha de aparecerem. Acho que o que existe é “ignoranciafobia” e ele confunde, sabe? Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará, seu presidente!

    • Yasmin

      Cristofobia, é uma realidade, não importa o número, apesar que se fosse contar numero disdo no mundo, talvez alguns milhoes ou bilhoes, que nao gostam do cristianismo.
      Se faz parte de individuos, e isso faz, ela existe.
      Pra começar o preconceito começa com você, chamar um cristão de ” monstro” já revela muito de você.
      Desde que Bolsonaro, se elegeu, pelo contrário, a cristofobia aumentou.
      Cristãos sao verdadeiros ” bodes expiatórios” pra muitos odiadores aqui no Brasil.
      Somos cidadãos, humanos como você, e temos direito de nos expressar.As pessoas amam se expressar, e no meio “ateu”, vamos dizer assim, inventaram até Ong do ” cala boca não”, com um monte de advogados, pra defenderem xingamentos e ofensas a vontade, agora nós cristãos não podemos nos expressar?hipocrisia! Perseguiçao e implicância estampada no Brasil , existe SIM!
      Sobre religioes, temos também o direito de fé,e nos expressar dentro do que cremos. Pra outras religioes, a deles sao a verdadeira, e pra nós, o Cristianismo que é a Verdade absoluta sim, e pra nós Deus, o Único verdadeiro, pode crer! Convivo com muitos religiosos, tenho face, nao vejo eles fazendo isso de perseguir nao pela internet, como se fosse costume.Pelo contrário, estamos cansados de recolher ” oferendas” , feitas para nos prejudicar, enterradas quando tem terra no quintal da igreja, ou na frente de nossos templos.Isso é cotidiano nas igrejas cristãs.Fora as ” entidades” enviadas que se revelam a nós , e temos que expulsar pela oraçao, etc.Fora as publicaçoes em paginas e sites, perseguindo em linhas ou entrelinhas, descredibilizando, etc.A guerra espiritual entre certas entidades, e nosso Deus, existe também.Isso muitos não acreditam, porque não vivenciam. E este lado da história, a midia nao quer mostrar. E a maioria de nós nem denuncia, os crimes contra nós, maioria deixa quieto.Mas surge um caso do contrário, e já está lá nos noticiários. Só não está pior devido leis ainda.Hipocrisia, e “passagem de pano grosso”.
      Mas isso é desde o tempo antigo. Jesus nunca escondeu, sempre deixou claro pros seus seguidores, que muitos dessa fé cristã, seriam perseguidos.

      • Rodrigo Homer

        Não chamei cristão de monstro, filha. Chamei de monstro quem usa a religião, entre outras coisas, para ofender os outros. E vc já misturou um monte de coisas aí, credo…dá até preguiça de ler.

        Cada um acredita no que quer, problema de cada um. Mas acho que Jesus surpreenderá, se realmente voltar como dizem, no tocante a quem ele levará consigo e quem ficará, viu…muitas pessoas que se acham santas só por frequentarem uma igreja, ficarão decepcionadas, hehehe.

  • Jorge Teixeira Carneiro

    Isso não existe. Todas as religiões são perseguidas onde são minoria. E algumas merecem, viu? O que fazem na maioria das vezes é uma mistura de charlatanismo, curandeirismo e estelionato religioso.

    • Capitalista

      Vc acabou de descrever todas as igrejas neopentecostais, como do Edir macedo, amigo do lula e do bozo, como da flordelis amiga da micheque e damares, como pastor everaldo que batizou bozo e ´seu irmão em cristo

      • Jorge Teixeira Carneiro

        Padres indicando novenas, romarias e pílulas de Frei Galvão, pais de santo indicando ”fazê” um descarrego com ervas, defumadouro da casa e despacho com galinha, cachaça e vela preta também não ficam muito atrás. Quando ficam doentes, correm todos para medicina. Principalmente para o Sírio e Einstein.

        • Capitalista

          Qual % disso? Quantos padres fazem isso hoje? Da macumba é ainda menor, tem menos de 3% da população com religiões afro. Agora todas as igrejas neopentecostais , uns 30% da população, fazem isso, e a tal teologia da prosperidade, pode ir qualquer dia em qualquer culto que eles vai te “desafiar” a fazer uma oferta a Deus, para tu ter sucesso

          • Jorge Teixeira Carneiro

            Não sei se reparou, mas a maioria das igrejas neopentecostais fazem justamente uma macumba. Só que agora misturada com a ”bibria”. Coisa bem de PPP.

            Há 40 anos atrás, você passava na porta de uma fave…, quero dizer, de uma ”comunidjadji” e tava lá: “CANTINHO DA VOVÓ CONGA”.

            Agora você passa e tá lá: “CASA DA BÊNÇÃO”

          • Capitalista

            Logo se percebe que nunca morou em bairro pobre, há 40 anos a comunidade era predominante no catolicismo, tendo alguns evangélicos tradicionais e os sempre barulhentos neopentecostais, que naquela época não se davam bem.

          • Jorge Teixeira Carneiro

            Aqui no Rio não. Aqui é esquema da favela PPP.

    • Yasmin

      Esse de ” minoria” é um papo pra ” passar pano grosso” no assunto.
      Aqui no Brasil pode não ter perseguiçao forte, da maioria, talvez, contando todos individuos, mas dizer que não existe perseguiçao é um termo equivocado.
      Cresci no meio cristão, e já vivenciei isso com vizinhança, escola, outras religiões, por exemplo.
      Dizem que o cristianismo é maioria, mas numa sala de alunos, no sul, por exemplo, entre 20 alunos, tem se 2 evangélicos, por exemplo.Percebi isso sempre em outro estado também.
      Em determinada cidade do Brasil que passei, populaçao pequena, mas maioria não evangélica.Forte sentimento contra cristaos em muitos, era percebivel, pra nao citar os acontecimentos. Entre outros exemplos.
      Faculdade, universidades hoje são escolas verdadeiras hoje, com certeza, para a temática em questão.
      Nao são pontos isolados, preconceito com cristãos. Com evangélicos, por exemplo, sempre teve muito mais preconceito aqui no Brasil.Uns disfarçam, por causa das leis ainda, outros não.É muito nitida em grupos de esquerda também, nas grandes mídias.
      O “ateismo” no sentido de desprezar o Deus cristão, esse tipo de ” ateismo”, que persegue e ofende em linhas ou ainda nas entrelinhas, só cresce no mundo, e no Brasil também, principalmente nas diversas midias.Nas universidades, cresce em nivel acelerado o ateismo, desse referdo, e boa parte dos jovens passam por lá né.
      Mas o próprio Jesus disse, que essa era a fé que existiria muitas perseguiçoes.
      Agora dizer que não existe, pode ser talvez esconder essa própria conjectura dentro de si…