“É raposa cuidando do galinheiro”, diz Cimi sobre demarcação de terra indígena na Agricultura

agronegóciobancada ruralistaCimiCNBBconflito agráriofunaiGilberto VieiraIncraInstituto SocioambientalJair BolsonaroMinistério da AgriculturaONGspovos indígenasquilombolastereza cristinaterras indígenas
Comentários (5)
Comentar
  • ALMANAKUT BRASIL

    A Band mostrou o que é índio trabalhando na terrar com maquinário moderno, colhendo, lucrando e ainda levando multa da ladroagem para repassar para pilantrONG.

    Nos EUA, os índios tem várias redes de cassinos, hotéis, bares e áreas preservadas, além de doarem bilhões de dólares para as campanhas políticas.

    Que o índio, quilombola e toda a gente produtiva do interior se integrem totalmente à sociedade e ao cotidiano, para somar!

    Já os vagabundos, preguiçosos, coitadistas e parasitas, que sumam!

  • Jeferson Matos.

    Antes o que acontecia, a Funai mandava uns antropólogos fazer vistorias em terra já ocupadas por agricultores/pecuaristas, e esses tais antropólogos enxergavam ali uma terra indígena. A quem serve os interesses desses profissionais não sei, mas uma Raposa Terra do Sol ocupando 1 743 089 hectares de Roraima totalmente improdutiva não é bom para o Brasil.

  • Antonio Carlos Jr Zamith

    CMI entreguista que com a máfia pt faliu RR em 2007 com a reserva “raposa do sol” , até 27% do território nacional interditar, contra opinião da FFAA. Ainda sonha em criar a reserva Kaiowa no celeiro do Brasil interditando o sul MS, Oeste PR, SC e noroeste do RS. Sem esquecer a as reserva de Cuê-cuê e marabitinas na calha morte que se unam a Yanomami para formar a corredor Triplo A. CIMI e CNBB são subversivos com a máfia pt.

    • Bento Sartori de Camargo

      Falou tudo Antonio Carlos, preservar terras indígenas com responsabilidade, áreas de proteção ambiental, o resto é fundamental ser áreas produtivas pelo agronegócio, é exatamente por aí!.

      • Antonio Carlos Jr Zamith

        obrigado! o ruim é que não tem como reverter o que a máfia pt fez.