Flávio Bolsonaro critica Maia por “ataques diários ao Executivo”

coronavíruscovid-19novo coronavírusRodrigo MaiaSenador Flávio Bolsonaro
Comentários (3)
Comentar
  • Geraldo Maia Santos Santos

    A PROSTITUIÇÃO DA NOTÍCIA

    Uol afirma sem provas, cego diante das manifestações ocorridas durante o 15 de março que “Inconformado com a elogiada condução da crise pelo ministro da Saúde, Bolsonaro tem procurado esvaziar as atribuições de Luiz Henrique Mandetta”. E que Bolsonaro deixou um ‘vácuo’ na condução do problema coronovírus. Ora, se Mandetta estava trabalhando (e bem) na função dele como ministro, por que o presidente deveria se meter, apenas para agradar Uol/Folha Rede Globo? Vejam só a distorção, a prostituição da notícia, o veneno e a insanidade dessa mídia. “Inconformado”, como? Onde está a prova do inconformismo? “Procurado esvaziar as atribuições”. Ora, se está tudo correndo de acordo com as orientações e decisões do ministro da Saúde que é médico, quando e onde Bolsonaro demonstrou o mínimo desagrado com relação ao seu ministro? Ah, tá, quando Bolsonaro foi às ruas agradecer o gesto de carinho e coragem do povo a seu favor? Mas aí o veneno de Uol diz que isso é “esvaziar atribuições”. Conheço vários jornalistas que se sentiram envergonhados com o a condução da matéria sobre o caso. Eu tb fico. Quanto deve estar rolando para que o combate contra Bolsonaro seja tão renhido, tão duro e implacável desde que tomou posse. E até mesmo antes. Depois dizem que o presidente é antidemocrático. Isso sim é ser antidemocrático, querer tirar na marra e sem razão justificada, um presidente eleito para mudar a lama em que se encontra mergulhado o congresso e o stf. Essa é a verdade. E ela libertará, por Jesus Cristo, a todos nós.

  • Geraldo Maia Santos Santos

    INSANIDADE LÚCIDA

    Um dos vários que se dizem juízes da mais alta corte publicou que Bolsonaro é insano por incitar o povo contra o congresso e o STF, o que da margem para que os presidentes da câmara e do senado disparem sandices diuturnamente contra o presidente eleito legitimamente por quase 60 milhões de brasileiros prometendo acabar com a política de coligação, do ‘tomaladaca’.
    Por esse motivo, porque perderam as bocas e mamatas, os privilégios e mordomias, agora queixam-se de Bolsonaro, as pobres vítimas do Capitão Presidente lançam aos quatro ventos que o mesmo é anti democracia e quer apenas dar um golpe para se consolidar no poder, tudo o que a esquerdalha lulopetista tentou em quase vinte anos de atentados contra a vida do povo brasileiro falindo o país, deixando uma herança de milhões de desempregadsos, de sem escola, sem saúde, sem segurança, sem cutura.
    Mas como é que o congresso, por causa disso, age com o presidente Bolsonaro? Quase todos os projetos e simples medidas provisórias como a da carteira de estudante digital, ou a que liberava os empresários da obrigação de publicar seus balanços financeiros nos diversos jornais. Quer dizer, o congresso faz de tudo para impedir Bolsonaro de governar, joga no fundo da gaveta os projetos enviados pelo presidente e depois vai chorar posando de vítima. A esquerdalha adora, pergunta quem mandou matar Marielle, mas não pergunta quem mandou o Adélio esfaquear o então candidato Jair Bolsonaro. Ou quem matou Celso Daniel?
    Se Bolsonaro diz um “A” logo é interpretado pela imprensa globolixuriada da pior maneira, garantindo através de seus ‘especialistas’ e suas ‘fontes’ oficiosas que Bolsonaro, segundo se fala nos corredores do Planalto, fez um “A” de anarquisar com o congresso, que o presidente não sabe outra letra do alfabeto, que se trata de “A” de anti democracia, que basta esse “A” para se Aventar o impedimento do presidente, coisa bem afeita aos ‘alexandres da vida fácil’.
    Então, o país foi roubado à exaustão e nada disso é considerado insanidade. Mas Bolsonaro retribuir o imenso carinho que o povo brasileiro passou a nutrir por ele, isso sim, esse AMOR do POVO para como o seu presidente, isso é considerado pelos petralhas lulopetistas e assemelhados como plena insanidade. Lúcida insanidade.