Colunistas

Loucos oficiais: episódios de insensibilidade que somente a loucura mais refinada poderia explicar

Dia desses, cumprindo minha rotina diária de leitura de alguns jornais do planeta, subitamente atentei para a imensa quantidade de notícias retratando episódios de insensibilidade que somente a loucura mais refinada poderia explicar. O pior: praticamente todos eles envolvendo autoridades de alto nível. Decidi, então, ensejando uma compreensão mais ampla, listá-las, resumidamente. Transcrevo, a seguir, o que encontrei.

Na Malaysia, um dado deputado, comentando uma nova lei que penaliza abusos sexuais de menores, declarou que violadores e vítimas deveriam casar-se e “virar a página”. Acrescentou, em seguida, que muitas “raparigas” já estão preparadas física e espiritualmente para o casamento a partir dos 9 anos de idade.

Enquanto isso, na Europa, o presidente da República Checa foi gravado ao dizer, em recente conferência internacional, que “há demasiados jornalistas, deveríamos liquidá-los”. Por falar em “liquidar” pessoas, na África um outro presidente, o da Guiné Equatorial, assim expressou-se: “quando alguém agarra um delinquente, mesmo que o mate, nós não vamos permitir que a Justiça detenha essa pessoa, porque o delinquente tem que saber que, quando vai roubar, pode ser morto”.

Reprodução

William Shakespeare: "é uma infelicidade da época que os doidos guiem os cegos"

Mas retornemos à Europa, em cujo parlamento um Eurodeputado sustentou, “ao vivo e a cores”, que “as mulheres devem ganhar menos do que os homens porque são mais frágeis, mais pequenas e menos inteligentes”. Deve ser por isso que, na Itália, absolveu-se um estuprador sob o argumento de que sua vítima “não gritara”!

Na Índia, o cenário para as mulheres é outro: um ministro, comandando uma campanha de distribuição de objetos de madeira parecidos com porretes, assim aconselhou-as: “se o seu marido estiver embriagado e ameaçar abusá-la, bata nele”.

Nos EUA, um congressista debatendo em plenário a gravíssima questão da saúde, saiu-se com esta “pérola”: “ninguém morre por não ter acesso a cuidados de saúde”.

Encerro com a Austrália, país no qual parlamentares federais defenderam que traficantes de pessoas fossem pagos para devolverem suas vítimas à Ásia.

Diante destes episódios, todos, repito, protagonizados por autoridades do mais elevado nível – seja lá o que for isso – fiquei a recordar as palavras de William Shakespeare: “é uma infelicidade da época que os doidos guiem os cegos”.

Leia também:
Esta hipocrisia: a quantas anda a Justiça dos Homens?

Continuar lendo

Sobre o autor

Pedro Valls Feu Rosa

Pedro Valls Feu Rosa

* Pedro Valls Feu Rosa, desembargador desde 1994, foi presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) no biênio 2012/2013.

Outros textos de Pedro Valls Feu Rosa.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade