Colunistas

Uma mercearia colaborativa

“Alinhada ao conceito de modelo de negócio moderno, a Mercearia Colaborativa, na 412 Norte, une chefs e produtores locais e oferece aos clientes a praticidade de encontrar delícias preparadas com qualidade e saudáveis”

Alinhada ao conceito de modelo de negócio moderno, a Mercearia Colaborativa, na 412 Norte, une chefs e produtores locais e oferece aos clientes a praticidade de encontrar delícias preparadas com qualidade e saudáveis. Aberto em setembro, o empreendimento é voltado para a gastronomia local e já conta com mais de 60 fornecedores. A maioria é de Brasília, mas há produtos de outros estados e até mesmo do exterior.

Lá você pode encontrar desde cafés, chás, cervejas, pães, doces, bolos e tortas. Se quiser, pode consumir os quitutes lá mesmo, e desfrutar doe água de graça. Aos sábados de manhã, a partir das 10h, tem uma feirinha orgânica com produtos frescos trazidos direto da horta, de agricultores familiares. Há alguns produtos exclusivos, desenvolvidos especialmente para a loja. O espaço é pet friendly, você pode levar seu animal de estimação e provar o café da manhã, também na opção vegana. Um cardápio próprio da loja para o café da manhã está em preparação.

Aos sábados de manhã, tem uma feirinha orgânica com produtos frescos trazidos direto da horta, de agricultores familiares

Para os produtores, a iniciativa é uma oportunidade para exposição de seus produtos nos nichos e estantes da Mercearia, a um custo menor do que se fossem bancar sozinhos o aluguel. Os proprietários, o casal Gustavo Bill e Carol Mullets, uniram-se ao chef André Batista, que prova os quitutes e faz a curadoria dos alimentos comercializados. Na loja, tudo é dividido com os colaboradores, do vendedor à máquina do cartão.

“A ideia era fazer algo diferente e abrir espaço em Brasília para que as pessoas conseguissem expor o que sabem fazer”, diz Carol Mullets. “A gente faz um trabalho quase de consultoria, ajudamos na produção visual e também na embalagem”, explica. E adianta que há planos de expansão: o espaço da Mercearia tem capacidade para mais de 100 nichos, então hoje há quase 40% disponível.

Uma das tendências fortes na gastronomia mundial é o consumo consciente de produtos com origem conhecida e de qualidade. Queremos privilegiar produtores locais, alimentos artesanais e alinhados ao conceito de responsabilidade social.

É o caso das especiarias vendidas nas “prateleiras” compartilhadas da Mercearia. Tem linguiças da Cacciatore Charcutaria, quiches da Viva la Quiche, chutneys da Fátima Nunes, cupcakes criativos, cervejas (Oh my Beer!) e queijos fundidos de Pomerode, cidade catarinense conhecida como a “mais alemã do Brasil”, entre muitos outras opções convidativas.

“Uma mercearia para você saborear sua cidade”, diz a capa no perfil no Facebook.

Mais sobre Brasília

Mais sobre gastronomia

 

Continuar lendo

Sobre o autor

Miriam Moura

Miriam Moura

Miriam Moura é jornalista, com larga experiência na cobertura política em Brasília. Trabalhou em jornais como O Globo, O Estado de S. Paulo e foi assessora de Comunicação em tribunais superiores, como STJ, TST e CJF. É diretora de Consultoria e Treinamentos na Oficina da Palavra e In Press Oficina.

Outros textos de Miriam Moura.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:



Publicidade Publicidade