Colunistas

O futuro do país e as manobras atuais

Colunista diz que atual tentativa de impeachment de Dilma é o caminho escolhido pelas forças conservadoras - FHC, PSDB, PMDB E DEM à frente - para "usurparem ainda mais as riquezas de nosso país"

Por mais que nosso olhar para a conjuntura política atual tenha foco e se realize através de uma lente macro, é essencial trocá-la por uma grande angular e a projetarmos sobre a realidade com uma preocupação histórica. Há muito tempo não somos uma ilha, um Estado-nação isolado. A partir do século 16 este imenso território foi integrado aos circuitos mundiais de comércio, produção e extração de riquezas, com a colonização portuguesa que durou 322 anos, passando depois por 67 anos de Império até chegarmos à República, de 1889, que completou 126 anos em 15 de novembro passado.

Nossa inserção no mundo da economia, dos interesses geopolíticos e dos negócios, não se alterou muito em função da trajetória da colônia até a república. Mudamos a forma dessa inserção, mas nem tanto os seus perfis e o seu peso. Antes, Inglaterra, Portugal e Espanha repartiam o mundo entre si.

Hoje, gigantescas corporações empresariais ancoradas num seleto grupo de países, ao lado de fundos financeiros, já quase cinco vezes maiores que a esfera produtiva mundial, redesenham as relações centro-periferia, “metrópoles-colônias”, atuando tanto pela extração de riquezas minerais e agrícolas quanto em transações com moedas, papéis públicos, privados e novos produtos financeiros. É esse o centro da disputa mundial e o motor  da acumulação do capitalismo hoje.

É nessa estrutura que os grupos dominantes internacionais querem encaixar os países da periferia. Nisso, encontram fortes aliados internos em cada país, atacando o  patrimônio das nações (empresas públicas, reservas minerais, orçamentos) e seu mundo econômico interno com soluções para a inflação, as áreas tributária e fiscal, de modo a  retirarem disso a maior  riqueza possível. Para isso financiam partidos políticos, mídias  e campanhas, elegem governos e Parlamentos, forçam a barra para que seus prepostos assumam postos chaves nas administrações, ainda que de governos que não apoiaram, lugares a partir dos quais possam decidir os rumos dessas nações, suas economias e finanças públicas.

Em nome do interesse geral (combate à inflação, por exemplo), patrocinam seus interesses particulares (ganhar com a dívida pública e a elevação das taxas de juros contra a inflação). Em nome das “reformas do Estado” e de conceitos pomposos como “eficiência” e “eficácia”, disseminam conceitos e obtêm consensos para vender o patrimônio do Estado, construído com recursos públicos, e abrir a exploração de recursos minerais do país a “investidores” estrangeiros – na verdade, eles próprios. Nisso, mais uma vez, não faltam aliados internos que se associam a esses interesses.

FHC abriu a exploração do setor petróleo às empresas estrangeiras, vendeu a mineradora Vale do Rio Doce a preço de banana. Os governos pós-FHC seguiram com a lógica anti-inflacionária, com diferenças de calibre, adotando abusivas taxas de juros que causaram a elevação da dívida pública, para depois buscar sua redução com cortes de gastos sociais e de infraestrutura para atender aos credores financeiros – desatendendo, porém, aos credores sociais reconhecidos até pela Constituição Federal.

A tentativa de impeachment no atual momento, por isso, associa os interesses internacionais a FHC, PSDB, PMDB E DEM, aos interesses dos que querem mudar o pré-sal (projeto do senador José Serra, PSDB-SP), aos que querem seguir com o tripé da economia conservadora: metas anuais de inflação (inflação apenas como fenômeno monetário), câmbio flutuante e superávit primário pró-renda de juros aos capitais aplicados em papéis públicos.

Trata-se de uma estratégia: usar os escândalos de corrupção atualmente sob investigação, a inflação que sobe (sem que se explique isso), o déficit público e tudo que dele deriva na gestão das finanças públicas (“pedaladas”, decretos orçamentários etc.) para tomar o país de assalto sem eleições e assim alcançarem o que não conseguiram em 2002, 2006, 2010 e 2014. E aí poderem implantar a nefasta aliança dos interesses internacionais com os mercadores internos, brasileiros anti-pátria, para usurparem ainda mais as riquezas de nosso país. Isso não isenta a atual aliança de governo de responsabilidades com a condução da economia, do patrimônio, das finanças e dos investimentos.

É por isso que afirmamos: o primeiro passo na atual conjuntura é derrotar o impeachment, o segundo é mudar a política econômica e o papel do Estado como ator público de fomento ao investimento e ao desenvolvimento com soberania, ética e cidadania.

 

Mais sobre impeachment

Mais sobre crise política

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo Rubem Santiago

Paulo Rubem Santiago

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Paulo Rubem Santiago foi vereador do Recife, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por três. Passou 28 anos no PT, do qual saiu em 2007 para se filiar ao PDT.

Outros textos de Paulo Rubem Santiago.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade