Colunistas

O dia em que o PT fez Wanderclaysson mudar de nome

O PT no divã e o diálogo definitivo. “Os arqueólogos, seguindo o método de análise das ciências sociais, foram até as origens do PT, a partir de velhos documentos. E concluíram que o PT originariamente até abraçava os ideais da esquerda”

A notícia pegou a comunidade científica de surpresa, Wanderclaysson. A partir da análise de um fragmento microscópico da poeira entranhada numa estrela vermelha de plástico encontrada na biblioteca do Hélio Bicudo, foi possível chegar a uma constatação desconcertante: o PT nunca foi de esquerda.

E mais: as amostras examinadas permitiram aos cientistas políticos garantir que o PT até já foi petista. Mas isso faz tempo. Eles examinaram uma amostra bem recente, recolhida naquele acampamento de Curitiba, compararam com outra, retirada de um boné com uma foto do Che, relíquia lá do ABC paulista. E concluíram que o PT foi se exaurindo até se tornar exclusivamente… lulista.

– Cumequié?

Isso mesmo, Wanderclaysson. Os arqueólogos, seguindo o método de análise das ciências sociais, foram até as origens do PT, a partir de velhos documentos. E concluíram que o PT originariamente até abraçava os ideais da esquerda.

– Faltou generosidade…

Não é bem isso, Wanderclaysson. Até havia generosidade, lá no início. Mas logo o partido se fechou e Lula, como todo molusco, enrodilhou-se em torno de si mesmo. Basta ver que nunca, ao longo dessas quase quatro décadas de existência, o PT apoiou outro nome que não fosse Lula. A única exceção foi a Dilma, uma ex-brizolista. O PT hoje é um partido lulista, só lulista.

O Brasil é uma ditadura. E eu não sabia.

– Mas historicamente a esquerda não se une. Quem se une é a direita. Tanto que se fala “na direita” e “nas esquerdas”.

Tem razão, Wander.

– Wanderclaysson.

 

Lula Marques / AGPT

Paulo José Cunha, Wanderclaysson, Noam Chomsky e o diálogo imaginário: “PT nunca foi de esquerda”

 

Tá. Wanderclaysson. Vez ou outra,  partidos de esquerda abriram mão da cabeça de chapa e apoiaram alguém de fora. Mas o PT, nunca. Não tem humildade nem inteligência pra isso. Agora mesmo o PT não abre mão de disputar a Presidência, sabe-se lá como, porque Lula é ficha suja e tá pagando um xilindró em Curitiba por corrupção.

– Mas dizem que ele é preso político…

– E por acaso o Brasil é uma ditadura, Wanderclaysson? (elevando a voz) Ora, faça-me o favor! Só existe preso político em ditadura, Wanderclaysson! Se tiver preso político numa democracia então a democracia não é democracia, entendeu? (aos gritos) Lula é apenas um político preso e pronto! Sabe onde esse negócio de ir com ele até o fim vai dar? Sabe?

(baixinho) – Não faço ideia.

– No fim! No fim, Wanderclaysson! Lula está preso por co-rrup-ção. Foi condenado pelo Moro, depois por aquele tribunal de Porto Alegre e pelo próprio Supremo.

O mergulho do PT na corrupção

– E essa tua conversa de que o PT não é mais petista? E que o PT é só lulista?

Basta olhar, Wander, basta olhar…

– Wanderclaysson.

Tá bom: Wanderclaysson. Basta olhar. Lá atrás o partido tinha um ideário: o ideário do PT. Depois abriu mão de tudo. E uniu-se a tudo o que não presta: Collor, Maluf, Sarney, Temer… Nos governos do PT os bancos nunca lucraram tanto. Entrou no caixa dois… E a corrupção, urrú!, correu solta!

– Mas fez o Bolsa-Família…

Verdade. Tirou muita gente da miséria absoluta. Promoveu várias políticas de inclusão, mas…

– Mas o quê?

Deixa eu ler aqui pra te responder: “É doloroso ver o PT, que implementou políticas importantes, não ter conseguido ficar fora da corrupção, o que o levou a ficar desacreditado”.

– Agora bateu duro. Ou foi um coxinha quem disse isso ou eu não me chamo Wanderclaysson.

– Pois pode ir pro cartório mudar de nome porque quem disse isso foi uma das maiores referências da esquerda mundial. O cara tem 89 anos, e se chama Noam Chomsky. Esquerdão da melhor qualidade!

– Ka-ra-glio! Tá bom, tá bom: pode me chamar de Wander. Eu gosto de Wanderclaysson, mas se vou ter de mudar de nome, fazer o quê, né? Até que Wander é bonitinho….

 

Do mesmo autor:

<< Lulismo: a doença infantil do petismo

<< Meu coração deu PT

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo José Cunha

Paulo José Cunha

* Paulo José Cunha é professor, jornalista e escritor.

Outros textos de Paulo José Cunha.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook: