Colunistas

Hay que endurecer?

“Aécio e Eduardo são muito mais arautos do velho modelo herdado de FHC, flexibilizado por Lula e Dilma, do que vozes de mudanças objetivas”

Tem sido intensa a movimentação dos pré-candidatos Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) no debate das propostas para economia brasileira. Encontros, almoços e jantares se transformam em palanques especializados, onde os citados pré-candidatos falam para líderes empresariais de vários ramos econômicos sobre suas avaliações acerca da inflação, das expectativas para o crescimento do PIB, a atração de investimentos e outros motes que estão na ordem do dia.

Nessa jornada, os temas monetários ocupam lugar de destaque. Tanto Aécio quanto Eduardo tem criticado com insistência o perigo da volta da inflação. Segundo eles, há uma “incapacidade” do governo da presidenta Dilma Rousseff de manter a inflação dentro dos limites do atual regime de metas. Por isso, esforçam-se em defender o aprofundamento do atual modelo, através de um ajuste fiscal mais duro, além de reafirmarem o compromisso com a promoção, até por meio de nova legislação, da chamada autonomia do Banco Central.

Ambos correm contra o tempo. Aécio Neves e Eduardo Campos miram setores estratégicos da economia, pesos pesados do PIB nacional, capazes de alavancar suas candidaturas na direção da oposição e torná-las competitivas até outubro. Como têm opiniões parecidas sobre quase tudo nesse ramo, fica difícil imaginar qual das duas candidaturas seria a preferida desse seleto universo de eleitores.

Por serem similares, as críticas e propostas de Aécio e Eduardo carregam as mesmas limitações. Criticam a inflação persistente, julgando-a ameaçadora, mas não explicam sua natureza, nem seu processo de resistência. Defendem o tripé ‘câmbio flutuante, regime de metas de inflação e superávit primário’, mas têm sido incapazes de fazer uma avaliação profunda desse modelo, de suas ferramentas e consequências nos últimos 15 anos. Passam a léguas de distância de uma avaliação da atual situação internacional de nossa economia, sua inserção externa, competitividade de nossas exportações, balança comercial e balanço de pagamentos. Não respondem por que razões o Brasil está “reprimarizando” sua economia, transformando-se em importador de bens de média e alta tecnologia, com progressiva perda da participação da indústria de transformação no PIB.

Dessa forma, observa-se que ambos, Aécio e Eduardo, têm sido incapazes de olhar o país de forma articulada. Não constroem com precisão um diagnóstico profundo das relações que predominam hoje entre política monetária, câmbio, formação da taxa de poupança e sua transformação em taxa de investimento. Criticam a falta de investimento, mas não indicam o que gera essa incapacidade. Passam longe, de resto, das razões de nossas profundas desigualdades regionais e sociais. Por exemplo, as escolas públicas da educação básica no Nordeste brasileiro, com elevados percentuais de professores com contratos temporários e sem licenciatura, mesmo nas séries finais do ensino fundamental, têm 60% menos insumos inovadores (acesso à internet, laboratórios de ciências, informática, bibliotecas, quadras cobertas), quando comparadas com as escolas do Sudeste.

Ao baterem na volta do fantasma inflacionário, os pré-candidatos à Presidência da República não expõem com exatidão os problemas gerados pelos preços administrados e aqueles comercializáveis (comoditties bem cotadas nos mercados externos). Dessa forma, Aécio e Eduardo são muito mais arautos da continuidade endurecida do velho modelo herdado de Fernando Henrique Cardoso, flexibilizado tantas vezes por Lula e Dilma, do que vozes de mudanças objetivas nessa arquitetura que dá, a cada dia, sinais de sua ineficiência como instrumento fiador da relação estabilidade-crescimento-desenvolvimento.

Mais sobre economia brasileira

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo Rubem Santiago

Paulo Rubem Santiago

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Paulo Rubem Santiago foi vereador do Recife, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por três. Passou 28 anos no PT, do qual saiu em 2007 para se filiar ao PDT.

Outros textos de Paulo Rubem Santiago.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade