Colunistas

Estado, sonegação e corrupção

"A progressiva privatização das funções da maioria dos partidos e bancadas parlamentares visa, necessariamente, à promoção dos interesses empresariais capitalistas junto ao aparelho de Estado para que tomem decisões a seu favor"

Em agosto de 2016 o país recebeu do Poder Executivo, constituído pelo processo de impeachment a partir de maio do mesmo ano, uma proposta de emenda constitucional, a PEC 241, que sugeria a realização de uma política de controle de gastos primários por vinte anos. O objetivo definido na exposição de motivos que acompanhou a PEC seria, através de um programa de ajuste fiscal, assegurar a sustentabilidade da dívida pública nas contas nacionais. A proposta foi aprovada na Câmara e no Senado e suas regras estão em vigor para os próximos vinte anos, através da Emenda Constitucional 95.

Durante a tramitação da PEC diversos especialistas e pesquisadores das finanças públicas e da macroeconomia apontaram inúmeras falhas na proposição. A principal delas era que a PEC não tratava de forma transparente os dois lados de qualquer situação de desequilíbrio fiscal, quais sejam, a composição e variação das receitas, a natureza e evolução das despesas e seu significado para a produção do deficit ou desequilíbrio fiscal das contas nacionais. Ao mesmo tempo foi enfatizado que políticas que abrem mão das receitas, através de desonerações fiscais, deveriam também ser reavaliadas, o que não aconteceu com a PEC.

Neste sentido, as notícias reveladas nos últimos dias, relacionadas com as investigações da Operação Lava Jato, realizadas em parceria com a Receita Federal, apontam que empresas sob investigação de corrupção seriam responsáveis ainda por montantes entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões de dívidas de impostos e contribuições. Ao lado disso, a Receita Federal revelou haver ao final de 2016 um estoque superior a R$ 1,5 trilhão de reais na dívida ativa tributária.

Tais dados, somados às expectativas de desvios de mais de R$ 100 bilhões com a corrupção na Petrobras e em outras estatais investigadas pela Lava Jato, revelam um agressivo e longo processo de assalto ao estado, organizado no meio empresarial. Com forte amparo político, dadas as condições de financiamento de campanhas eleitorais e partidos, essa máquina buscou também comprar mandatos parlamentares, por anos e anos, para que atuassem a seu favor no Congresso Nacional. Diante disso, questiono se o estado é vítima desses assaltos ou sócio dessas empreitadas? A quem o mesmo deve servir numa sociedade constituída em estado democrático de direito?

A progressiva privatização das funções da maioria dos partidos e bancadas parlamentares visa, necessariamente, à promoção dos interesses empresariais capitalistas junto ao aparelho de estado, com a nomeação de ministros, presidente de bancos centrais, secretários de ministérios e dirigentes de agências reguladoras para que tomem decisões a seu favor, embora sejam apresentadas em benefício público e da nação. Ao lado disso não se descartam também os interesses desses grupos na nomeação de Desembargadores Federais nos Tribunais Regionais e Ministros dos Tribunais Superiores, sabatinados pelos membros do Senado, muitos dos quais, suspeita-se, possivelmente eleitos com farto dinheiro privado, até ilícito, como revela a Operação Lava Jato, pelo menos até as eleições de 2014.

São engrenagens que rodam a favor do status quo, das oligarquias nacionais e regionais de um capitalismo periférico, onde o legal e o criminoso se entrelaçam intensamente no processo de construção de riqueza e poder. Um sistema econômico integrado aos mercados internacionais, como fornecedor de comoditties e produtos básicos, importador de bens de capital e investimentos externos que chegam para a desnacionalização de ativos, a compra dos títulos públicos do tesouro nacional e presença no mercado secundário nas bolsas de valores. Para esse modelo não há um projeto de nação a ser construído, com dignidade e direitos para seus cidadãos. A esses caberão as sobras, as políticas compensatórias, para que ingressem no mercado de consumo de massas, ao lado, porém, da repressão jurídica, policial e militar do estado quando de sua luta por direitos mais amplos, por reformas estruturais, sobretudo quando puderem abalar os pilares do poder e da construção da riqueza pretendida pelas forças dominantes.

Vencer esse sistema é uma necessidade histórica para a nação brasileira e seu povo trabalhador. Nas ruas, nas urnas, nas bases da formação da opinião pública e das consciências. Não há no capitalismo, em especial quando originário de formação colonial e periférica, respostas justas para os direitos essenciais do povo, no mundo do trabalho, da seguridade social, das políticas públicas emancipatórias universais, em especial na gestão democrática e ética das relações público-privadas no seio do estado.

Mais sobre PEC 241

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo Rubem Santiago

Paulo Rubem Santiago

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Paulo Rubem Santiago foi vereador do Recife, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por três. Passou 28 anos no PT, do qual saiu em 2007 para se filiar ao PDT.

Outros textos de Paulo Rubem Santiago.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade