Sábado, 21 de Janeiro de 2017

Colunistas

Deu a louca no mundo virtual – Os sites mais surreais de nosso tempo

Serviço de telegramas para o além? Venda e compra de votos na Alemanha? Experiências com alienígenas? Colunista cita alguns dos sites mais “inacreditáveis” à disposição dos internautas mundo afora

Dia desses li que 2,4 bilhões de seres humanos – praticamente um terço da população mundial – fazem uso da internet. Eis aí, sem a menor sombra de dúvida, uma das mais importantes inovações da nossa era, dotada de um poder revolucionário virtualmente inimaginável.

E eis que, surfando na fascinante onda dessa novidade, apareceu um cidadão buscando facilitar o adultério! O dito cujo montou um sítio na internet especializado em viabilizar encontros com pessoas casadas. Logo na página inicial fica clara a intenção da ideia: “A vida é curta, tenha um caso”.

Um outro elemento resolveu estabelecer um serviço de telegramas para o além. Basta digitar a mensagem a ser transmitida para algum morto, ao custo de US$ 5 por palavra, e o telegrama será devidamente entregue através de um portador – algum doente terminal que se disponha a memorizar a mensagem para repeti-la, depois de morto, lá nas paragens celestiais. Aliás, por falar nisso, encontrei um outro sítio cuja única finalidade é definir o dia de sua morte – assim você pode até se oferecer para levar algum telegrama para o além.

Descobri também um serviço especializado em proporcionar experiências com seres de outros planetas. Segundo li, uma equipe composta de profissionais altamente treinados, incluindo médicos, hipnotizadores e até técnicos especializados em implantes de memória, o fará experimentar a sensação de ser abduzido por algum “ET”.

A propósito, há na internet um sítio vendendo uma apólice de seguro para o caso de você ser realmente carregado por um alienígena. O serviço custa US$ 19,95 mais US$ 5 de despesas postais. A partir daí, basta algum “ET” carregá-lo para um disco voador e você ganhará US$ 10 milhões, na qualidade de um feliz segurado!

Você quer ficar infeliz? Deseja alcançar um estado de depressão ouvindo palavras amargas? Está cansado de ouvir palavras de incentivo? Neste caso, conte com um sítio cujo lema é “descobrimos a cura para a esperança”. Por preços módicos, pode-se comprar ali até um “calendário de desmotivação”, a fim de que a cada novo dia você tenha uma razão nova para ficar deprimido.

Curioso, também, é o sítio para imbecis. A ideia é proporcionar um centro virtual de acolhimento aos idiotas deste mundo. Funciona assim: na entrada o candidato se submete a um teste de QI e, uma vez constatado que o dito cujo é uma anta, a aceitação como sócio nesse seleto clube é imediata.

Não menos interessante é o sítio através do qual pode-se adquirir terrenos na Lua, em Marte e em Vênus. Os preços começam em uns R$ 56,20 para um acre até R$ 315,40 para um lote de dez acres. Acompanha a escritura um mapa do local (Lua, Marte ou Vênus, repito), a fim de que você encontre o terreno com facilidade quando por lá resolver aparecer.

Encerro esta lista com o inacreditável sítio alemão dedicado a intermediar a compra e venda de votos nas eleições realizadas naquele país. Por meio dele os eleitores procuram compradores para seus votos, recebendo 10 Euros por cada um. Eles devem preencher um formulário, comprometendo-se a votar no partido ou político comprador. Clientes podem comprar pacotes de votos – 1.000 por 6.250 Euros, ou 10.000 por 59.000 Euros.

Dizem alguns que a evolução espiritual da humanidade não tem acompanhado o avanço de sua tecnologia. Daí, talvez, a exclamação de Rivarol, segundo quem “os povos mais civilizados acham-se tão próximos da barbárie como o ferro polido está perto da ferrugem”.

Mais sobre internet

Continuar lendo

Sobre o autor

Pedro Valls Feu Rosa

Pedro Valls Feu Rosa

* Pedro Valls Feu Rosa, desembargador desde 1994, foi presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) no biênio 2012/2013.

Outros textos de Pedro Valls Feu Rosa.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:



comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade