Colunistas

Com quantos pobres se faz um milionário

Dia desses, lendo um jornal lá de Moçambique, deparei-me com uma interessante matéria: “Cada novo milionário custou pouco mais de 2.000 pobres”. Curioso, decidi lê-la. O texto, em resumo, trazia uma interessante manifestação do economista Nuno Castelo-Branco: “A forma particular ...

Dia desses, lendo um jornal lá de Moçambique, deparei-me com uma interessante matéria: “Cada novo milionário custou pouco mais de 2.000 pobres”. Curioso, decidi lê-la.

O texto, em resumo, trazia uma interessante manifestação do economista Nuno Castelo-Branco: “A forma particular como o processo de reorganização e expansão do capitalismo acontece em Moçambique é determinada pelo foco do processo político e econômico nas duas últimas décadas, que consiste em formar uma classe de capitalistas. Revistas especializadas, como a Forbes, mostram que Moçambique é um dos países africanos com uma taxa mais rápida de crescimento do grupo de milionários. Entre 2002 e 2014, o número de milionários moçambicanos duplicou, aumentando em um milhar, e o número de pobres aumentou em cerca de 2,1 milhões. Isto é, cada novo milionário custou pouco mais de 2.000 pobres”.

Fiquei curioso. Qual seria, neste sinistro contexto, a realidade brasileira? Comecei pelo número de milionários: eles eram 162 mil em 2015, e, a despeito da crise econômica que se abateu sobre nosso país, passaram a ser 172 mil em 2016, conforme dados coletados pelo banco Crédit Suisse. Enquanto isso, o número de famílias em situação de pobreza extrema voltou a crescer: elas eram 8% em 2014, e passaram a ser 9,2% em 2015.

E o mundo? A quantas andaria o planeta? Alemanha, um passo à frente: “Julgando pela taxa de desigualdade, a Alemanha já pode se comparar com os países do chamado Terceiro Mundo. Por um lado, existem várias famílias com a renda de 30 bilhões de Euros, sendo que sua fortuna continua crescendo. Por outro, 20% da população não têm quase nada, enquanto 7% tem mais dívidas do que renda” (jornal Sputnik).

Encontrei dados praticamente similares relativos ao restante da União Europeia e aos EUA, todos demonstrando um quadro absolutamente preocupante. Coroei minha pequena pesquisa com uma constatação da Oxfam no sentido de que os níveis de desigualdade alcançaram um ponto tal que apenas oito bilionários possuem a mesma riqueza da metade mais pobre de toda a população do planeta.

Fiquei a recordar uma célebre frase de Max Nunes, que, malgrado relativa ao Brasil, aplica-se já a todo o planeta: “O Brasil precisa explorar com urgência a sua riqueza – porque a pobreza não aguenta mais ser explorada”.

<< Ser pobre custa muito caro

Continuar lendo

Sobre o autor

Pedro Valls Feu Rosa

Pedro Valls Feu Rosa

* Pedro Valls Feu Rosa, desembargador desde 1994, foi presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) no biênio 2012/2013.

Outros textos de Pedro Valls Feu Rosa.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade