Colunistas

Brasil: o fim do curto prazo

Ao privilegiar as metas de superávit para o pagamento da dívida pública, governo dissocia estabilidade da moeda do crescimento e frustra o planejamento do país a médio e longo prazos, diz ex-deputado

Em abril de 2011, ao enviar o projeto de lei das diretrizes orçamentárias (LDO) de 2012 ao Congresso Nacional, a presidente Dilma destacou no artigo 2º da proposta que a elaboração e a execução do orçamento de 2012 observariam, em primeiro lugar, a formação do superávit primário (receitas acumuladas antes de despesas financeiras) para o pagamento da dívida pública. O mesmo se repetiu na proposta de LDO para 2013, enviada em abril de 2012 ao Congresso.

A meta de superávit ou meta fiscal, inserida a partir de 1999/2000 nas contas nacionais, integra as metas anuais previstas na LDO e executadas ao longo do ano fiscal da lei orçamentária. Ao submeter a elaboração e a execução do orçamento à meta do superávit, o governo faz da política fiscal âncora da política anti-inflacionária, em nome da estabilidade da moeda. Explico melhor.

No atual modelo de combate à inflação, considera-se a mesma como sendo de “demanda” e adota-se para medi-la o IPCA, índice de preços ao consumidor amplo. Sempre que a inflação simplesmente sobe ou quando ameaça ultrapassar 6,5% ao ano (teto da meta da inflação, uma das referências contidas nas metas da LDO) sobe-se a taxa básica, a Selic, que define o piso dos juros no país.

Qual é, porém, a relação entre essa estratégia de combate à inflação e a dívida pública?

Acompanhe: 1) Afirma-se que a inflação brasileira é de “demanda”; 2) Um índice, o IPCA, é usado para medi-la e embora tenha nove itens em sua composição, com características de elevação e baixa distintas, é considerado em sua totalidade, usado “cheio”; 3) Quando a inflação ameaçar ultrapassar o teto de sua meta (2 pontos acima do centro da meta, que é  de 4,5% ao ano), independente do que causou isso (se uma queda na oferta de produtos ou elevação de tarifas de preços administrados, como água, luz e telefonia) sobem-se os juros básicos, a taxa Selic, para se combate-la 4) Como parte da dívida em títulos públicos (Letras Financeiras do Tesouro, LFTS) é atrelada a Selic, subir juros é subir dívida pública,  exigindo-se  mais receitas para o pagamento dos rendimentos dessa dívida, os juros e o principal.

Colocar isso em primeiro lugar no orçamento é privilegiar de maneira rentista a visão de curto prazo na economia, é dissociar a estabilidade monetária do crescimento, da luta pelo pleno emprego e pelo desenvolvimento, é frustrar o planejamento do país a médio e a longo prazos nas demais esferas de investimentos, como na infraestrutura, em ciência e tecnologia, educação, saúde e para a reforma urbana.

Perguntado pelo diretor José Mariani sobre quem mandava no país, no documentário “Um longo amanhecer”, sobre sua vida e obra, Celso Furtado, pouco antes de morrer em 2004, afirmava: “É essa taxa de juros de fantasia”. Tal modelo reforça a acumulação de capital, hegemônica após quatro décadas, assentada na valorização meramente financeira de ativos aplicados em papéis, ações e transações com moedas. Por isso, há a pressão de bancos, consultorias e investidores pelo aumento da taxa de juros. Querem ter o país, suas receitas, as leis orçamentárias e o tesouro nacional servindo a essa valorização e à acumulação de capital. Enfrentar essa engrenagem, denunciá-la, mudá-la, pensar e fazer o país a médio e longo prazo é urgente e necessário.

Mais sobre educação

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo Rubem Santiago

Paulo Rubem Santiago

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Paulo Rubem Santiago foi vereador do Recife, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por três. Passou 28 anos no PT, do qual saiu em 2007 para se filiar ao PDT.

Outros textos de Paulo Rubem Santiago.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade