Colunistas

As oscilações dos cenários na sucessão presidencial

“O populismo e a demagogia não nos levarão a bom porto. A superação de crise tão complexa não é coisa para amadores”

A eleição de 2018 se apresenta como a mais complexa e indecifrável de todo o período da redemocratização. Articulistas e cientistas políticos jorram tinta de caneta e palavras em artigos e entrevistas, tentando antecipar tendências e cenários. O mercado financeiro se excita. Oscilações das pesquisas podem provocar movimentos defensivos ou especulativos no câmbio e na bolsa de valores. A incerteza política anestesia os investimentos e o processo de tomada de decisões.

Tudo que o Brasil não precisa, para a construção de seu futuro, é de mais intolerância, radicalismo e instabilidade. A carga de adrenalina já foi demais. Lava Jato, impeachment, denúncias contra o presidente, recessão elevaram a temperatura política ao limite.

A contagem regressiva não para. Faltam menos de cinco meses para o primeiro turno e a imagem é de uma eternidade. O elenco de alternativas ainda não está claro. Sucessão presidencial é maratona, não corrida de cem metros. A história eleitoral no Brasil está povoada de viradas espetaculares e resultados surpreendentes. Por enquanto, assistimos monólogos paralelos. Não há interação entre as candidaturas. E, principalmente, a eleição não está em pauta para ampla maioria da população brasileira.

A novidade da semana passada foi a desistência do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que se notabilizou no processo que ficou conhecido como mensalão. A sua candidatura pelo PSB seria, tudo indica, a última possibilidade para a consolidação de um “outsider competitivo”, após o apresentador de TV Luciano Huck também ter se retirado de cena.

 

EBC

Pestana avisa ao próximo inquilino do Planalto: “Sem reformas estruturais não conseguiremos superar armadilhas”

 

Portanto, a escolha se dará entre atores já presentes no quadro político tradicional. Remanescem as candidaturas de Geraldo Alckmin, Marina Silva, Ciro Gomes, Henrique Meireles, Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro. O PT permanece escravo da estratégia pessoal de Lula. Quanto mais retardar o lançamento de outro nome, como Fernando Haddad ou Jaques Wagner, mais essa candidatura será tomada como um improviso ou um estepe.

Os candidatos ainda não explicitaram suas propostas e estratégias para tirar o Brasil da crise. Não houve um verdadeiro debate. As trajetórias pessoais dos candidatos ainda não foram submetidas à lupa crítica do eleitorado. Ou seja, o jogo está só começando.

O Brasil tem pressa. A realidade cobra mudanças urgentes que reposicionem o país. A inflação e os juros básicos se encontram em patamares baixíssimos. Mas a taxa de investimento e de crescimento também. E sem reformas estruturais não conseguiremos superar as armadilhas e gargalos da economia brasileira.

Cabe a cada um de nós revalorizar a política como arena de tomada de decisões. O populismo e a demagogia não nos levarão a bom porto. A superação de crise tão complexa não é coisa para amadores. Muitos atores ainda podem abandonar o palco. Mas o essencial é que façamos uma escolha que reflita as verdadeiras necessidades do Brasil.

 

Do mesmo autor:

<< Cinco crises à procura de uma saída

<< Os cenários para a disputa presidencial

Continuar lendo

Sobre o autor

Marcus Pestana

Marcus Pestana

* Marcus Pestana é deputado federal e foi, por dois mandatos consecutivos, presidente do PSDB de Minas Gerais. E-mail: contato@marcuspestana.com.br.

Outros textos de Marcus Pestana.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook: