Quarta, 29 de Março de 2017

Colunistas

A superação da crise política e da herança maldita

“Muitos líderes brasileiros não têm a postura recomendada por Thomas Jefferson: ‘Quando um homem assume uma função pública, deve considerar-se propriedade pública’. Aqui a função pública torna-se ferramenta para a apropriação privada do espaço público”

Com a cassação do mandato do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, e a conclusão do processo de impeachment da presidente Dilma, o Brasil virou a página, encerrando turbulento ciclo de instabilidade.

A política surge na história da civilização como terreno público onde interesses divergentes e conflitantes são arbitrados e as instituições conseguem erguer soluções para os desafios sociais e problemas coletivos.

No Brasil da Lava Jato muitos brasileiros estão mergulhados num ambiente onde a indignação se converte em desânimo, ceticismo e postura antipolítica. A política é central na vida de qualquer sociedade. No Brasil, no entanto, a confiança anda baixa. Mas como disse o filósofo grego: “Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governados por aqueles que gostam”.

Nos últimos 15 meses, a política brasileira deixou de ser um campo de soluções e avanços para se tornar um entrave, um obstáculo, uma fonte permanente e inesgotável de surpresas negativas e impasses. O impeachment, o processo de cassação de Cunha e as fortes consequências da Lava Jato e congêneres sobre o Congresso formaram um verdadeiro tsunami na política brasileira, impedindo as discussões e as decisões necessárias. Infelizmente muitos líderes brasileiros não têm a postura recomendada por Thomas Jefferson:

“Quando um homem assume uma função pública, deve considerar-se propriedade pública”. Aqui a inversão de valores é total, a função pública torna-se ferramenta para a apropriação privada do espaço público através da corrupção, do nepotismo, do clientelismo.

Mas a verdade é que temos uma herança maldita deixada por Dilma e pelos governos do PT. Doze milhões de desempregados podendo chegar a 14 milhões, fruto da maior recessão desde 1929. Queda da renda média dos trabalhadores com perda de poder de compra e qualidade de vida. Inflação resistente e alta, apesar da paralisia econômica. Juros reais, os maiores do mundo, num país de endividados. Risco real em médio prazo de insolvência fiscal e default na dívida, o que seria a sentença de morte para o país. Uma das maiores cargas tributárias da América Latina e entre os emergentes. Sistema previdenciário injusto e insustentável. Investimento em queda. Crescimento projetado de -3,2% em 2016, contrastando com Índia (+7,4%), China (+6,6%) e Peru (+3,8%), por exemplo, desmentindo que a crise tem raízes internacionais. A crise é “made in Brazil” graças a decisões e atos equivocados do governo.

Com a posse de Temer, o índice de confiança de investidores, empresários e consumidores aumentou rapidamente. Mas isso não se sustentará se não fizermos o dever de casa. Ajuste fiscal, reforma da previdência, modernização das relações de trabalho, simplificação tributária, reforma política e dinamização das parcerias com o setor privado não são construções ideológicas ou manobras partidárias, são exigências da realidade brasileira.

Mais sobre economia brasileira

Mais sobre ajuste fiscal

 

Continuar lendo

Sobre o autor

Marcus Pestana

Marcus Pestana

* Marcus Pestana é deputado federal e foi, por dois mandatos consecutivos, presidente do PSDB de Minas Gerais. E-mail: contato@marcuspestana.com.br.

Outros textos de Marcus Pestana.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:



comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade