Sábado, 20 de Dezembro de 2014

Vazamento de óleo coloca GDF e Planalto em lados opostos

Secretaria de Meio Ambiente de Brasília diz que mancha descoberta no Lago Paranoá é de responsabilidade do restaurante da sede do governo federal. Já órgão da Presidência da República rebate: conclusões são “precipitadas”

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Mancha de óleo no Lago Paranoá foi descoberta na última sexta-feira

O vazamento de óleo no Lago Paranoá, em Brasília, na sexta-feira passada (17) colocou a Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal e o Palácio do Planalto, apesar de comandados pelo PT, em lados opostos. Enquanto o órgão local afirma que a mancha foi causada pelo restaurante da sede do governo federal, a Secretaria-Geral da Presidência informou, em nota, que ainda é muito cedo para saber a origem.

O secretário de Meio Ambiente do DF, Eduardo Brandão, disse ao portal R7 que uma investigação está em andamento para saber de onde o produto veio e como foi parar no Lago Paranoá. Existem duas suspeitas: a primeira é que a mancha tenha sido causada pelo vazamento no poço lubrificante. A outra que saiu de uma das caldeiras do restaurante, que fica no prédio anexo ao Palácio do Planalto.

Pelo vazamento, a Secretaria de Meio Ambiente multou o Palácio do Planalto em R$ 50 mil e aguarda solução para o problema. Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência qualificou as declarações de Brandão como “precipitadas”. “Somente após as análises químicas do óleo será possível ter uma conclusão tecnicamente consistente. A caldeira que pode ser a origem do vazamento foi preventivamente desativada, e a mancha de óleo imediatamente contida na própria sexta-feira, minimizando seu impacto”, diz um trecho da nota.

Com informações da Agência Brasil

Leia mais sobre o meio ambiente

Nosso jornalismo precisa da sua ajuda

Assine a Revista Congresso em Foco

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade