“Todo feio” contesta delator e o chama de “canalha” e “todo horroroso”: “Todo feio, eu?”

Ex-deputado Inaldo Leitão nega ter recebido propina da Odebrecht e reclama de apelido dado a ele por delator. Em delação premiada, ex-diretor da empreiteira afirma que repassou R$ 100 mil ao ex-parlamentar paraibano

Inaldo Leitão: “Outra coisa que não gostei nessa delação do canalha Claudio Melo foi codinome de 'Todo Feio'. rsrsrsrsrs Não é bem assim, né?"

O ex-deputado paraibano Inaldo Leitão, apelidado de “Todo feio” nas planilhas da Odebrecht, contestou o codinome dado a ele pelo ex-diretor da empreiteira Cláudio Melo Filho, a quem chamou de “ex-amigo”, “canalha” e “todo horroroso”. “Todo feio, eu?”, questionou Leitão em artigo publicado no Facebook. Em sua delação premiada, Cláudio afirma que repassou R$ 100 mil ao ex-parlamentar, que, segundo ele, estava na lista de congressistas que ganhavam contribuições financeiras da empresa em troca de apoio no Congresso.

“O ex-amigo e atual canalha Claudio Melo afirmou, na sua delação, que eu recebi 100 mil da Odebrecht na campanha de 2006. Como esse fato já faz dez anos, não lembro exatamente o valor recebido, mas sei que foi em caráter oficial”, contestou o ex-deputado. Inaldo Leitão disse que nunca atuou em favor da Odebrecht e que o próprio delator afirmou que o repasse foi feito sem qualquer contrapartida.

“Outra coisa que não gostei nessa delação do canalha Claudio Melo foi codinome de “Todo Feio”. rsrsrsrsrs Não é bem assim, né? Se fosse escolher um codinome para esse delator, ficaria em dúvida entre Todo Horroroso ou O Mentiroso.”

Leia a íntegra da nota do ex-deputado:

‘TODO FEIO’, EU?

“O ex-amigo e atual canalha Claudio Melo afirmou, na sua delação, que eu recebi 100 mil da Odebrecht na campanha de 2006. Como esse fato já faz 10 anos, não lembro exatamente o valor recebido, mas sei que foi em caráter oficial.

E que fique claro: o delator confessa que me fez a doação por eu ter um cunhado trabalhando na empresa e por amizade pessoal, MAS SEM QUALQUER CONTRAPARTIDA.

Nunca tive relação de negócio com a Odebrecht, jamais fiz qualquer pagamento à empresa nos cargos que exerci e tampouco apresentei projeto de lei ou relatei proposição do seu interesse, direto ou indireto, na Câmara dos Deputados. Isso inclui qualquer outra empresa.

O delator afirma que os personagens delatados retribuíram a doação recebida por diversos meios e formas. MENOS EU.

Moro em Brasília desde 2007 pagando aluguel. Em 40 anos de atividade profissional (advogado, procurador do Estado e professor da UFCG), fui também Secretário de Estado por três vezes, Delegado do Mec, Deputado Estadual, Presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Federal por duas legislaturas e o único patrimônio imobiliário que tenho é um apartamento em João Pessoa (bem de família).

Ou seja, nunca me utilizei da carreira pública para acumular patrimônio ilegalmente. Nesse quesito, ocorreu o contrário: só perdi. E não me arrependo, pois jamais tive como objetivo de vida a riqueza.

Outra coisa que não gostei nessa delação do canalha Claudio Melo foi codinome de “Todo Feio”. rsrsrsrsrs Não é bem assim, né? Se fosse escolher um codinome para esse delator, ficaria em dúvida entre Todo Horroroso ou O Mentiroso.

P. S. Ora, ora, ora…

Acabei de ter acesso ao texto da delação do canalha Claudio Melo. Diz ele: “Durante a campanha de 2010, recebi um pedido do Ex-Deputado Inaldo Leitão para que reforçasse junto ao Pacífico, DS das regiões norte e nordeste e amigo pessoal de Inaldo, a solicitação que ele havia feito a Pacífico de contribuição financeira. Reforcei o pedido junto a Pacífico até porque tenho uma relação com o parlamentar e o mesmo tinha capacidade demonstrada de ser um futuro líder na Câmara, já tendo sido membro da CCJ. Ressalto, ainda, que este ex-Deputado tem relações antigas na empresa, além de familiares.”

Detalhe: NÃO FUI CANDIDATO EM 2010!!!

Outro: como esse sujeito pode dizer que eu vou ser líder de uma bancada que ainda não existe e só será conhecida depois da eleição?”

Mais sobre Odebrecht

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo
Publicidade Publicidade