STF: Congresso liberado para votar royalties

Em decisão apertada, Supremo derruba a liminar concedida por Luiz Fux sobre os vetos presidenciais. Pela decisão, deputados e senadores ficam livres para elaborar a pauta. Mérito do mandado de segurança ainda será analisado

Gervásio Baptista/SCO/STF

Por maioria dos votos, ministros do STF derrubaram liminar dos royalties

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), por seis votos a quatro, derrubaram nesta quarta-feira (27) a liminar determinando a votação em ordem cronológica de todos os 3,2 mil vetos presidenciais que trancam a pauta do Congresso. Desta forma, a rejeição parcial da presidenta Dilma Rousseff ao projeto dos royalties do petróleo pode ser analisado em qualquer sessão do Congresso Nacional. A análise do orçamento de 2013 também está liberada.

A posição veio após os ministros analisarem um agravo apresentado pela Mesa do Congresso contra o mandado de segurança do deputado Alessandro Molon (PT-RJ). Para os advogados do Senado, que assinaram o recurso, determinar a análise cronológica configura “usurpação de prerrogativa do Poder Legislativo”. Também apontaram que a decisão anterior tranca a pauta do Congresso.

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

O ministro Teori Zavascki, primeiro a votar e quem abriu a dissidência, afastou a possibilidade de  a questão dos vetos ser “interna corpuris”, isto é, de atribuição única do Congresso. Ao acionar o STF, os parlamentares colocaram a mais alta corte do país como árbitro de uma dúvida constitucional. Primeiro a votar, ele ponderou que a votação de vetos poderia trazer um problema legal para o país.

Também disse que, se fosse analisar todos os vetos na pauta, o Congresso não conseguiria cumprir a norma constitucional daqui para frente. “A pretexto de se fazer cumprir o texto constitucional, uma decisão dessa natureza inviabilizaria de forma momentânea a análise tempestiva de novos vetos”, afirmou Teori. Ele lembrou que no ano passado adotou uma postura ao caso das medidas provisórias.

Críticas

Fux, no entanto, discorda. Ele entende que a questão das medidas provisórias deixaria um vácuo de leis no país. No caso dos vetos, o ministro não vê o mesmo prejuízo. Já Teori acredita que os argumentos legais são os mesmos nos dois casos. “É a desobediência ao processo legislativo constitucional”, opinou. Ele chegou a sugerir a adoção do mesmo critério das medidas provisórias, sendo acompanhado por Rosa Weber e Toffoli. Os outros não se manifestaram sobre a possibilidade.

Rosa Weber, José Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes acompanharam Teori. “Não vejo, da leitura do artigo 66 (da Constituição), que ali se impôs uma ordem cronológica de votação. O artigo não tira a do Congresso a prerrogativa da pauta política”, afirmou Toffoli. Já Gilmar Mendes classificou os 3 mil vetos parados como um “quadro de patologia”.

Os ministros Marco Aurélio, Celso de Mello, decano da corte, e o presidente do STF, Joaquim Barbosa, votaram com o relator para manter a liminar. O decano da corte, disse que a inércia das instituições compremete a força normativa da Constituição. “Representa um desprezo àquilo que a Assembleia Nacional Constituinte reconheceu e decidiu por mandato popular”, afirmou. Já o presidente do STF ressaltou que a corte está diante de um “fenômeno de extrema gravidade”. “Estamos diante de um exemplo muito claro de como se dá a hipertrofia de um Poder no nosso sistema de governo”, disse.

Logo que os ministros voltaram do intervalo, o relator do mandado de segurança, Luiz Fux, ressaltou que o “absurdo aqui solta aos olhos”. Ele lembrou que já se passaram “4325 dias de inércia legislativa”. Ele citou o tempo em que os vetos mais antigos estão esperando votação. O mais antigo está na pauta desde 2000. Logo após a breve intervenção, os outros ministros começaram a votar.

Urgência

Concedida em dezembro pelo ministro Luiz Fux, a liminar derrubava o regime de urgência do veto parcial ao projeto dos royalties do petróleo e determina a análise em ordem cronológica de todas as negativas presidenciais. A decisão do ministro deu fôlego para os estados produtores do petróleo, que eram os maiores prejudicados com o texto aprovado pelo Congresso em novembro.

A presidenta Dilma Rousseff, com o argumento de não romper contratos, decidiu vetar parcialmente o projeto. Em seguida, editou uma medida provisória regulamentando a questão. A proposta tramita no Congresso e tem como relator o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), o mesmo que elaborou o relatório derrubado pela Câmara em novembro passado. O texto não tem data para ser apreciado em plenário.

Quando a liminar foi concedida, parlamentares decidiram votar todos os vetos em uma única sessão. A cédula com todas as negativas presidenciais chegou a ser distribuída. No entanto, a sessão acabou cancelada. Primeiro integrantes da oposição questionaram a possibilidade de analisar a peça orçamentária. Depois, o próprio governo orientou os líderes para esperar o STF.


Veja ainda:

Tudo sobre orçamento

Tudo sobre royalties

Royalties: Dilma veta quebra de contratos vigentes

Câmara aprova royalties sem dinheiro para educação

Planalto quer decisão do STF sobre vetos

Deputados acreditam em “meio termo” do STF

Continuar lendo
Publicidade Publicidade