Silas Malafaia troca Pastor Everaldo por Marina

Líder da Assembleia de Deus faz “tuitaço” em defesa da candidata do PSB e ataca Dilma, Lula e o PSDB. Religioso havia declarado voto no candidato do PSC no primeiro turno e na ex-ministra apenas no segundo

“Lula, Dilma e Aécio não conseguiram desconstruir a Marina. Ela vai para o 2º turno”, diz pastor

Menos de um mês após virar pivô do recuo da candidata Marina Silva (PSB) em relação à pauta do movimento LGBT, o presidente do Conselho de Pastores do Brasil, Silas Malafaia, liderou nesta quinta-feira (25) um “tuitaço” em apoio à ex-ministra. Antes apoiador do candidato Pastor Everaldo (PSC), o líder da Assembleia de Deus deixou clara sua adesão a Marina já no primeiro turno ao espalhar a hashtag #MARINAresistentevaiserPRESIDENTE. Malafaia disparou dezenas de mensagens com ataques ao PT e à presidenta Dilma e também não poupou o PSDB, de Aécio Neves. O pastor já havia sinalizado apoio a Marina em um eventual segundo turno.

“O PT é especialista em destruir reputações, mas não conseguiu com Marina #MARINAresistentevaiserPRESIDENTE”, escreveu o religioso esta tarde. Cerca de mil usuários repassaram mais de 1,4 mil mensagens de Malafaia. “Lula, Dilma e Aécio não conseguiram desconstruir a Marina. Ela vai para o 2º turno”, postou. Ele ressaltou que hoje o tucano e a petista têm juntos 16 minutos contra apenas dois da ex-senadora do Acre. “O 2º turno é uma outra eleição. Os candidatos possuem tempo igual. Vai acabar a supremacia de Dilma”, afirmou.

No final do mês passado, o religioso atacou Marina por ter incluído em seu programa de governo apoio a propostas como a união civil entre pessoas do mesmo sexo e a criminalização da homofobia. Também pelo Twitter, o pastor ameaçou fazer um duro pronunciamento contra a candidata, que também é evangélica e segue a Assembleia de Deus. Um dia depois, Marina anunciou a revisão do capítulo, alegando que o texto havia sido incluído de maneira equivocada e que fazia parte apenas de uma discussão interna.

Lideranças do movimento LGBT, como o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ), criticaram duramente a candidata pelo recuo e atribuíram sua mudança de posição à pressão religiosa. “Para ser sincera, eu nem li os tuítes de Silas Malafaia. Eu não me sinto pressionada nem por ele, nem por ninguém. Nosso programa é de respeito aos direitos das pessoas”, respondeu Marina em entrevista ao grupo RBS, em Porto Alegre.

Malafaia, então, elogiou a postura de Marina e declarou apoio a ela em um eventual segundo turno. No primeiro, dizia o candidato, seu candidato era Pastor Everaldo. Mas o presidenciável do PSC, que chegou a ter 3% das intenções de voto, segundo as pesquisas, viu seu potencial eleitorado minguar para 1% nos últimos levantamentos.

Mais sobre igrejas

Mais sobre as eleições

Continuar lendo
Publicidade Publicidade