Quinta, 2 de Outubro de 2014

Secretário nega propina e ameaça processar promotor

Em nota ao Congresso em Foco, João Furtado afirma que grampos não passam de “bravatas ditas por terceiros” e afirma que Ministério Público participou de audiência pública antes de pregão que contratou a Delta e nunca denunciou nenhuma irregularidade

Leia a íntegra da nota:

O secretario da Segurança Pública e Justiça de Goiás, João Furtado de Mendonça Neto, só se pronunciará a respeito do da ação quando tiver conhecimento de seu teor e apresentar sua defesa.

Porém, João Furtado lembra que o promotor Fernando Krebs participou da audiência pública que precedeu o pregão eletrônico para contratação da empresa Delta, no governo anterior, e que o mesmo nunca se pronunciou sobre qualquer irregularidade.

Portanto, se porventura houve improbidade de alguns, houve também prevaricação por parte do membro do Ministério Público.

Sobre o suposto pagamento de propina, o secretário esclarece que o ônus da prova compete a quem alega, mas ressalta que tanto a Polícia Federal quanto o Ministério Federal, responsáveis pelas investigações, já manifestaram que não há nenhuma prova dessas bravatas ditas por terceiros.

João Furtado afirma que causa-lhe espécie a falta de ética do membro do Ministério Público, que antes da citação dos acusados buscou a autopromoção em veículos de comunicação nacionais.

O secretário aguarda o conhecimento do teor da ação para decidir se representará à corregedoria do Ministério Público contra o nobre promotor, por violação das normas atinentes a sua competência funcional, dentre outros motivos.

Por fim, João Furtado confia na magistratura goiana e seus integrantes, que saberão decidir a questão com imparcialidade e isenção de ânimo.

Ministério Público pede bloqueio de bens de Cachoeira e secretário de Goiás

Delta afirma que governo não reclamou do aluguel das viaturas

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

Deixe um comentário

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade