Roberto Jefferson comunica a Temer desistência de indicar filha ao Ministério do Trabalho

 

Reprodução / PTB

Roberto Jefferson comunicou a Temer, em reunião no Planalto, que partido declina da indicação de sua filha, a deputada Cristiane Brasil. Outro nome será sugerido na reforma ministerial

 

O presidente nacional do PDT, Roberto Jefferson, se reuniu nesta quarta-feira (21) com o presidente Michel Temer (MDB) para comunicar que o partido desiste de indicar a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para assumir o Ministério do Trabalho. A decisão anunciada pelo pai da deputada ontem foi formalmente levada a Temer, que aceitou manter Helton Yomura como titular interino da pasta. O presidente da sigla divulgou nota no início da tarde (leia a íntegra mais abaixo).

<< PTB desiste de Cristiane Brasil para comandar o Ministério do Trabalho

O líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO) e a própria Cristiane também participaram da reunião, que foi realizada na manhã de hoje no Palácio do Planalto, onde ficou acordado que o partido voltará a discutir com Temer uma nova indicação durante a reforma ministerial, que deve acontecer a partir do mês que vem, quando começa o prazo de desincompatibilização para os candidatos às eleições de 2018.

Jefferson havia publicado ontem (terça, 20), em sua conta no Twitter, sobre a desistência do partido na  indicação, após quase dois meses desde que a ex-futura ministra do Trabalho foi nomeada, e agradeceu a Temer pelo apoio e respeito com a filha “durante esse período de caça às bruxas”. O presidente da sigla disse ainda que “a decisão do partido visa proteger a integridade de Cristiane e não deixar parada a administração do ministério”.

Novela

A nomeação da deputada foi anunciada em 3 de janeiro por Roberto Jefferson. No dia 8, após a revelação da condenação trabalhista da deputada, que motivou uma ação popular para impedi-la de assumir, a posse da ministra nomeada foi barrada pela primeira vez. Desde então, Cristiane e o PTB se mobilizaram sem sucesso para tentar garantir que ela assumisse a pasta.

Após o primeiro impedimento, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com recurso para liberar a posse, marcada para o dia seguinte, mas pouco antes do início da cerimônia, o recurso foi negado e a solenidade foi suspensa às pressas. Em 19 de janeiro, o STJ foi o responsável pela decisão que liberou a posse da ministra, que foi marcada para a segunda-feira seguinte, mas a ministra Cármen Lúcia decidiu, nas primeiras horas do dia 22, suspender a posse novamente. Cármen Lúcia cassou a liminar que autorizava a posse no dia 15 de fevereiro.

<< Cristiane Brasil pede pressa a Cármen Lúcia para definir seu futuro: “Tenho ficha limpa”

<< Cármen Lúcia cassa liminar que liberava posse de Cristiane Brasil

Condenações e investigação

A filha de Roberto Jefferson Cristiane Brasil foi condenada, em 2016, a pagar R$ 60,4 mil em dívidas trabalhistas a um motorista que prestou serviços ela e sua família entre 2012 e 2014. De acordo com a ação, o motorista Fernando Fernandes trabalhava cerca de 15 horas por dia e não tinha carteira assinada. Na versão da nova ministra, o motorista exercia trabalho eventual e nunca foi seu empregado.

Outro processo contra ela foi aberto em 2017, por outro motorista, mas não prosseguiu após as partes aceitarem uma conciliação. O ex-funcionário trabalhou para ela e sua família entre 2014 e 2015. Ela se comprometeu a pagar ao reclamante R$ 14 mil em dez parcelas a assinar a carteira de trabalho. O jornal O Globo revelou que os R$ 1,4 mil pagos mensalmente ao ex-motorista saem da conta de Vera Lúcia Gorgulho Chaves de Azevedo, lotada no gabinete de Cristiane na Câmara dos Deputados.

Um mês após sua nomeação, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que a deputada é investigada, desde 2010, por associação ao tráfico no Rio de Janeiro em um inquérito aberto pela Polícia Civil no Rio de Janeiro, remetido ao STF no dia 2 de fevereiro  privilegiado. De acordo com o Estadão, que teve acesso ao inquérito policial, Cristiane, seu ex-cunhado, o deputado estadual Marcus Vinicius (PTB) e três assessores dela na época também são investigados por supostamente dar dinheiro a traficantes para que pudessem fazer campanha com “direito exclusivo” no bairro de Cavalcanti, na zona norte do Rio. Há quase oito anos, o inquérito estava na Delegacia de Combate às Drogas do Rio.

<< Confira o histórico de acusações contra Cristiane Brasil

Leia a íntegra da nota de Roberto Jefferson:

“O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, o líder do PTB na Câmara dos Deputados, Jovair Arantes (GO), e a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) se reuniram nesta quarta-feira (21) com o presidente Michel Temer para comunicá-lo oficialmente da decisão anunciada ontem (20) pelo partido de declinar da indicação de Cristiane para o Ministério do Trabalho e agradecê-lo pelo apoio que a parlamentar recebeu durante esse período.

Na reunião, ocorrida no Palácio do Planalto, Michel Temer concordou com a permanência do advogado Helton Yomura como ministro interino do Trabalho.

O presidente da República e o PTB voltarão a discutir a indicação do novo nome para a pasta do Trabalho na reforma ministerial.”

 

<< Roberto Jefferson critica filha por vídeo: “Deve se portar como figura pública”

Continuar lendo