Reservatórios do DF atingem menor nível da história e Adasa intensifica fiscalização

Agência Brasília

Caso os níveis dos reservatórios continuem a cair, uma das medidas que a Adasa poderá tomar será o aumento do período de racionamento no DF

 

Enfrentando uma de suas maiores crises hídricas da história, o Distrito Federal vê a cada dia os níveis de seus reservatórios despencar. Essa semana, devido ao baixo nível dos reservatórios de Santa Maria e Descoberto, que atingiram os menores níveis já registrados: 27,8% e 14,3%, respectivamente, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) anunciou que intensificará o monitoramento dos reservatórios.

A partir de agora, a medição do volume de vazão dos afluentes do Descoberto, que antes era semanal, passará a ser feita três vezes por semana. A fiscalização dos irrigantes da bacia também será intensificada. O volume de chuvas registrado ainda é insuficiente para elevar o nível dos reservatórios.

<< Em período de racionamento no DF, prédios públicos aumentam gasto com água

Apesar da queda nos níveis, o volume útil ainda está acima do estabelecido pela Adasa. Para acompanhar o consumo, a agência criou uma curva de acompanhamento para estabelecer o limite mínimo a ser alcançado mensalmente. De acordo com a curva de acompanhamento de outubro, a Adasa espera que ao fim deste mês de agosto o reservatório do Descoberto esteja com níveis acima de 9%  de sua capacidade e o Santa Maria com 23%.

A avaliação é feita com base nos níveis do reservatório, cuja alteração se dá em razão das entradas de água; do consumo de água pela população e pelos agricultores; e da situação climática. Esse monitoramento tem sido realizado em reuniões semanais envolvendo Adasa, Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) e Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF (Seagri), para análise dos dados e possíveis revisões e adoção de medidas para assegurar o cumprimento das metas.

Caso a Curva de Acompanhamento se desvie das metas, medidas serão tomadas com o objetivo de reduzir a demanda. Qualquer resultado abaixo resultará em medidas mais severas de racionamento, como o aumento de um para dois dias de racionamento, até que se recupere o volume mínimo estabelecido.

Desde o dia 17 de janeiro, regiões administrativas abastecidas pelo Reservatório do Descoberto sofrem com o racionamento de água por um período de 24 horas, de seis em seis dias. Poupadas no primeiro momento, as regiões abastecidas pelo sistema Santa Maria/Torto, que englobam áreas nobres de Brasília, passaram a conviver com o racionamento no final de fevereiro. O risco, agora, é que esse racionamento aumente para 48h.

<< Plano Piloto e áreas nobres terão racionamento de água em Brasília

Em maio 2016, o volume do Descoberto estava em 89,2%. Em maio de 2017, o volume registrado foi de 55,7%. No caso do volume do Reservatório Santa Maria, em maio de 2016 estava com 74,7%. Já no mesmo mês deste ano, o volume registrado foi de 53,9%.

Desde que a crise no DF começou a se agravar, os moradores das regiões administrativas do DF e do Plano Piloto foram impostos a medidas emergenciais como a Tarifa de Contingência – neste caso a unidade usuária cujo consumo mensal de água ultrapasse 10m³ fica sujeita à tarifa adicional na conta –, bem como a redução na pressão das redes que abastecem as regiões. A Tarifa de Contingência foi suspensa pela Adasa em junho deste ano.

Bananal e Sistema Lago Norte

Para a Caesb, as novas captações de água no Sistema Lago Norte e no Subsistema do Bananal devem contribuir com o abastecimento da cidade nos próximos meses. Os dois sistemas estavam com previsões para a conclusão das obras marcadas para o último mês, mas ainda não foram concluídas.

<< Adasa suspende tarifa de contingência em pleno período de seca no DF

Continuar lendo

Publicidade Publicidade