Premiados querem criar grupo para discutir o país

Paulo Negreiros

Randolfe: nível dos premiados é muito superior à média do Congresso

O grupo de parlamentares que, na avaliação de jornalistas e internautas, melhor representam a população no Congresso deve se reunir, nos próximos dias, para discutir mudanças políticas para o país. A ideia é do senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), que articula para a próxima semana o encontro de deputados e senadores homenageados na oitava edição do Prêmio Congresso em Foco. Dos debates, defende Randolfe, deve nascer uma agenda em comum com propostas sobre temas importantes como a reforma política. A sugestão do senador ganhou de cara a adesão de dois parlamentares, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e o senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Os três fazem parte do grupo dos 48 congressistas premiados na noite da última quinta-feira (26) no Unique Palace, em Brasília, apontados como os melhores de 2013.

O assunto, tratado inicialmente durante a festa da premiação, também ganhou o plenário do Senado na sessão de ontem (27). “Nós temos aqui quatro senadores que lá estavam dentre os que lá foram agraciados e nós dizíamos o seguinte: ‘Que interessante seria se aquele grupo de ontem do Congresso em Foco pudesse se reunir para discutir o Brasil e para reformas nas estruturas do Brasil!’ Se aquele grupo fosse a média geral do Congresso Nacional, talvez nós pudéssemos avançar muito com o nosso país. Oxalá isso seja possível ser feito, não é, senador Cristovam?”, propôs Randolfe, na presença dos também premiados Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e Pedro Simon (PMDB-RS). No final da manhã dessa sexta-feira, apenas os quatro ocupavam o plenário.

Eleito pela quinta vez pelos internautas como o melhor senador, o pedetista acolheu a sugestão de Randolfe e chegou a propor um nome para o grupo. “Eu achei sua ideia dessa reunião muito interessante, senador. O nome podia ser Brasil em Foco, como o grupo que se reúne em torno a essa premiação”, emendou Cristovam. “Belíssima sugestão a da reunião Brasil em Foco!”, aprovou Randolfe.

Veja a votação final do Prêmio Congresso em Foco

Cristovam Buarque defendeu que a discussão entre os premiados seja iniciada imediatamente. “Vamos trabalhar isso! Concluo, dizendo que o Brasil está indignado, querendo uma reforma política, e nós estamos oferecendo não é nem uma minirreforma, mas uma nanorreforma, de tão pequeninha que precisa de microscópio para vê-la”, criticou.

“Ponto de mudança”

Em entrevista ao Congresso em Foco, o senador do Psol reiterou que pretende levar a discussão adiante. “Se as ideias e posições políticas da média dos premiados triunfassem, nós avançaríamos com uma agenda nacional”, afirmou o senador do Amapá. “Vamos articular um encontro semana que vem. É possível traçarmos uma agenda suprapartidária para tratar de temas nacionais como a reforma política. O compromisso com a pauta republicana pode ser um ponto de mudança”, observou.

Entre os premiados da noite dessa quinta-feira, estavam dois relatores da reforma política na Câmara, os deputados Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Henrique Fontana (PT-RS). As propostas apresentadas pelos dois, porém, não chegaram sequer a serem votadas. “Se as propostas deles tivessem avançado, teríamos um sistema político melhor. E não essa bem menos que nanorreforma que o Senado aprovou e, felizmente, a Câmara não deve aprovar”, avaliou Randolfe.

Estímulo à reflexão

Pelo oitavo ano consecutivo, o Prêmio Congresso em Foco distinguiu os deputados e senadores que, na avaliação da população, melhor a representam no Congresso. Na votação pela internet, foram validados mais de 254 mil votos, após auditoria que envolveu a análise da origem do voto e da autenticidade do e-mail utilizado para confirmá-lo, num trabalho cuidadoso e paciente que contou com o monitoramento da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) .

Criado em 2006, o Prêmio Congresso em Foco tem como objetivo estimular a sociedade a acompanhar de perto o desempenho dos congressistas e combater o mito de que todos os políticos são iguais, reconhecendo e valorizando aqueles que se destacam, de maneira positiva, no exercício do mandato.

E os parlamentares não são iguais mesmo. Nenhum dos premiados responde, por exemplo, a investigações criminais no Supremo Tribunal Federal (STF), nem está sob a mira dos conselhos de ética da Câmara e do Senado. Nenhum deles tem também histórico de violações aos direitos humanos. Aliás, todos os congressistas que se enquadravam em pelo menos uma dessas condições sequer puderam ser votados, conforme determina o regulamento. Como revela a nova edição da Revista Congresso em Foco224 deputados e senadores respondem a 542 inquéritos e ações penais no Supremo.

Patrocinado pela Ambev, o Prêmio Congresso em Foco 2013 teve o apoio da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF, que fiscaliza a votação pela internet), da Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), da Associação Nacional dos Auditores Ficais da Receita Federal do Brasil (Anfip), do Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), da Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (Anesp), da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), da ONG carioca A Voz do Cidadão, da Agência Radioweb e do Sindicato dos Jornalistas do DF.

Veja também:

Em vídeo, o sentido do Prêmio Congresso em Foco no Brasil de hoje

Outras informações sobre o prêmio

Continuar lendo

Publicidade Publicidade