Segunda, 27 de Março de 2017

Planilha e delator da Odebrecht indicam repasse de R$ 1 milhão a Padilha, diz O Globo

Ministro da Casa Civil nega ter recebido dinheiro e chama delação de “mentira”. Codinome, segundo investigações, reforça proximidade entre ele e o secretário de Parcerias de Investimentos Públicos, Moreira Franco. Eles são dois dos integrantes do governo mais próximos de Michel Temer

 

Valter Campanato/ABr

Padilha nega ter recebido dinheiro ou ter intermediado arrecadação para companheiros de partido

 

Uma planilha apreendida pela Polícia Federal na casa de Maria Lúcia Tavares, ex-funcionária da Odebrecht, informa o pagamento de R$ 1 milhão a “Angorá”, no dia 18 de agosto de 2018. O documento é do setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, também conhecido como departamento da propina da empreiteira. Em delação premiada, o ex-diretor de relações institucionais do grupo Cláudio Melo Filho afirma que o “Angorá”, neste caso, é o atual ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. As informações são do jornal O Globo. Gato angorá também é um velho apelido do secretário de Parcerias de Investimentos Públicos, Moreira Franco, dado ainda pelo ex-governador Leonel Brizola, um de seus desafetos políticos. Moreira também está na lista dos suspeitos de receber repasses da Odebrecht.

“No caso em concreto o codinome utilizado pelo setor de operações estruturadas para definir Eliseu Padilha nesta operação financeira foi ‘Angorá’. A título de informação, que reforça a relação de representação entre Eliseu Padilha e Moreira Franco, este último tem apelido de Gato Angorá”, diz trecho da delação destacado pelo jornal.

Cláudio Melo Filho afirma que doou R$ 10 milhões para o PMDB, a pedido do presidente Michel Temer. Desse total, R$ 6 milhões foram destinados, segundo ele, para a campanha de Paulo Skaf (PMDB) ao governo de São Paulo, em 2014, e R$ 4 milhões para Eliseu Padilha.

O ministro da Casa Civil nega ter recebido o dinheiro. “Não fui candidato em 2014. Nunca tratei de arrecadação para deputados ou para quem quer que seja”, respondeu ao Globo. De acordo com ele, a declaração do ex-executivo da empreiteira é “uma mentira”. A Odebrecht não se manifesta sobre o assunto.

Veja a reportagem do Globo

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade