Piantella – famoso em virtude de uma certa predileção das elites políticas e econômicas

*André Rehbein Sathler

Tornou-se famoso em virtude de uma certa predileção das elites políticas e econômicas, quando em Brasília. Fechou recentemente mas acabou vendido e reaberto. Quem conhece recomenda.

Nesse palco, como em tantos outros, desfrutaram de agradável sociabilidade altos barões da indústria e do poder. Engendrados em suas semanas de setenta horas, desprovidos de tempo ou energia para buscar outros interesses além de uma distração trivial e repousante, esses homens de bem sentem-se à vontade na presença de seus pares. Desconfortáveis em seus ócios, posto que devidamente insensibilizados aos valores de uma salutar vida familiar, buscam a companhia de colegas com as mesmas inaptidões.

Permanecem juntos pelo estímulo e pelo prazer da reafirmação, vinculando-se em relações pessoais que nunca se distinguem completamente das relações comerciais. Trocam cartões na sauna, falam de mulheres e bebidas nos escritórios. É nesse contexto de jantares, encontros em garagens e ligações clandestinas que pessoalidade e negócios se misturam pornograficamente. Não surpreende em nada que dez preciosos minutos da conversa do presidente malversem sobre mulheres.

A esse clube privado só ascendem pessoas não suficientemente altas para professar a inocência, mas altas demais para praticá-la. São ricos, respeitáveis, eficientes em suas funções, vitoriosos em todas as áreas da vida. Por isso é de certo modo engraçado quando os flagramos enrolados com malas, meias, cuecas e trinta e cinco mil faltantes.

Divulgação Enoteca Fasano/Tadeu Brunelli

"Desfrutaram de agradável sociabilidade altos barões da indústria e do poder"

As forças que desviam os empresários para os atalhos ilegais operam suavemente, como o melífluo tentador. Suas tentações, contudo, conduzem-nos a caminhos ainda mais secretos e os conflitos de interesses vão se tornando um flagelo permanente. Os jantares de hoje são sinopses das decisões de amanhã. As reuniões ficam mais tranquilas e os então frios escaninhos da burocracia se aquecem. Afinal, como alguém pode recursar um favor especial a um amigo, não dar-lhe uma informação preciosa, não apresentá-lo a alguma coisa boa? Capitalismo de compadres.

Mas essas amizades não resistem ao primeiro puxão de orelhas. Porque, ao mesmo tempo em que são nutridas por preocupações comuns e pelo bom gosto quanto a vinhos, são corroídas pelo egoísmo. Surpreendentemente, o Romanée-Conti avinagrou. José, a festa acabou. A amizade resseca-se tão rapidamente quanto a figueira amaldiçoada pelo Cristo.

Afinal, o jogo do poder, como em qualquer campo em que os homens competem seriamente por objetivos implacavelmente sérios, é bruto. Quando a ameaça é séria, vale o instinto primitivo, sem espaço para o arrependimento ou para a dispensação de misericórdia. A Omertà sempre soube disso e por isso manteve sempre viva a ameaça maior: a morte. Mas, apesar de alguns episódios isolados, as quadrilhas brasileiras são mais farsescas em seus códigos de honra. Quando começam as delações, todos subitamente descobrem a verdade que o ex-Presidente norte-americano Woodrow Wilson já tinha explicitado: “o sistema não tem coração”.

*André Rehbein Sathler é economista, professor do Mestrado em Poder Legislativo da Câmara dos Deputados.

Continuar lendo

Publicidade Publicidade