Parlamentares repercutem em plenário tensão dos atos contra Temer ao redor do Congresso

Mídia Ninja

Manifestantes e Polícia Militar tentam conter protestos com bombas e isolamento do Congresso

 

Um grupo de manifestantes entrou em guerra com a polícia, no início da tarde desta quarta-feira (24), durante o ato intitulado #OcupaBrasília, que pede a saída do presidente Michel Temer e a realização de eleições diretas.  Os policiais criaram uma barreira para fazer revista em todos que se aproximam da Esplanada dos Ministérios. No entanto, enquanto alguns eram contidos pelas barreiras de contenção, que isola um perímetro do centro do poder, um grupo de mascarados partiu para cima da polícia com pedras e pedaços de madeira, dando início ao tumulto.

Manifestantes começam ato contra as reformas e pela saída de Temer

Resultado: a situação instalou clima de guerra no gramado da Esplanada dos Ministérios, a poucos metros do Congresso. Diante do furo ao bloqueio, a polícia reagiu com bomas de gás lacrimogênio, que estão sendo atiradas a todo momento para tentar dispersar os manifestantes.

Simultaneamente, parlamentares governistas tentam dar consecução à pauta legislativa, por orientação do Planalto, desde a última quarta-feira (17) imerso na mais grave crise política desde a posse de Temer – que, acusado de diversos crimes depois de se encontrar secretamente, no Palácio do Jaburu, com um dos delatores da Operação Lava Jato, perdeu diversos auxiliares próximos e é pressionado por oposicionistas e até membros da base a renunciar.

 

Veja no vídeo:

Relatos

Governistas tentam conter os danos da situação e, em nome das reformas pretendidas pelo governo (trabalhista e previdenciária, entre outras), dizem que é preciso dar continuidade ao trabalho, de maneira a tentar reverter a crise econômica. Paralelamente, parlamentares da oposição que foram aos protestos já, de volta aos respectivos plenários, fizeram relatos sobre o que viram e dizem acreditar que infiltrados provocaram a confusão, propositadamente, em meio à maioria pacífica.

“Espancamentos, um senhor na minha frente com a barriga aberta, em decorrência do confronto [com a PM]. Mulheres e homens sangrando!”, disse há pouco o senador Paulo Paim (PT-RS), um dos congressistas mais relacionados às pautas trabalhista e previdenciária. “Eu estava presente e eu nunca vi uma coisa desta. Um grupo de provocadores foi em cima da polícia, sem o comando da manifestação. O comando da manifestação indica que todos se afastem daquele local. Eles agridem até mesmo os manifestantes e vão em cima”, emendou a senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

“Não pode continuar o Presidente da República nesta situação de fragilidade – cercado de, agora não mais, mas estava cercado de assessores comprometidos com a Justiça – governando o Brasil, o Brasil sangrando, o dólar subindo, a Bolsa caindo, o desemprego aumentando a níveis que nunca aconteceu nos últimos anos”, disse em plenário o senador Otto Alencar (PSD-BA), membro de um partido da base que, embora não tenha ido ao protesto, também pede a renúncia do presidente.

 

Fábio Góis/Congresso em Foco

Forças de segurança isolam Congresso há algumas semanas e, hoje, intensificam estratégia

 

Na Câmara, membros da base defendem Temer, diante da declarações de que o governo está “podre”. “Eu queria dizer que o que está afundando não é o barco do governo. O que já afundou é o iate do complô. O iate do complô afundou, tanto que ontem tiveram que botar num navio e levar para Nova Iorque. Essa é a realidade. O governo segue forte, avançando no rumo que o Brasil precisa”, discursou Carlos Marun (PMDB-MS), um dos principais fiadores da política reformista de Temer no Congresso.

Vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS) criticou os procedimentos que, conduzidos pela Procuradoria-Geral da República, levaram à investigação formal de Temer no Supremo Tribunal Federal (STF), a partir da delação premiada feita pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS (uma das principais doadoras de campanha eleitoral, via caixa dois, propina ou doação formal). “O presidente Michel já está tomando medidas jurídicas. E nós, aqui, a trabalhar por um Brasil melhor, pelo desempregado, por aquele que tem medo de perder o emprego, pelo empresário que está desesperado e pela população, que está revoltada com a liberdade que foi dada a dois delinquentes. Aliás, um aplauso à impunidade”, discursou o peemedebista.

Fábio Góis/Congresso em Foco

Um dos resultados dos confrontos em frente ao Congresso

Já no Senado, até por volta das 16h os membros da base ainda não haviam se manifestado em plenário na defesa de Temer. Mas a senadora Ana Amélia (PP-RS), que também integra um partido da base, fez menção à “manifestação democrática, para protestar contra reformas que estão em andamento no Congressoe também sobre a situação política, fazendo a campanha ‘Fora Temer’”.

“A democracia pressupõe exatamente essa convivência democrática e manifestações livres”, disse Ana Amélia, apelando ao Tribunal Superior Eleitoral que vote rapidamente o processo de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

“Praça de guerra”

A confusão segue generalizada e os os manifestantes respondem com pedras em direção à polícia, usando banheiros químicos para se esconder da mira dos policiais. A Secretaria de Segurança Pública ainda não divulgou dados sobre feridos. Diante do cenário, diversos ministérios liberaram seus servidores.

Mídia Ninja

Protesto é marcado por tumulto

Desde a ocupação do Congresso por um grupo de agentes penitenciários, no início do mês, a Câmara e o Senado instalaram grades em volta do Congresso. As grades permanecem aos arredores da Casa Legislativa, bem como em frente ao STF e também ao Palácio do Planalto.

Os organizadores estimam que 150 mil pessoas já ocupam os gramados da Esplanada. A Polícia Militar, que ainda não atualizou os dados, estima 25 mil manifestantes. Enquanto isso, milhares ainda partem do Estádio Mané Garrincha, a cerca de cinco quilômetros da Esplanada, rumo ao Congresso. Agentes penitenciários, policiais civis, federais e rodoviários federais também participam do ato.

Representantes de diversos movimentos sociais e sindicais protestam contra as reformas da Previdência e trabalhista e pedir a saída imediata do presidente Michel Temer (PMDB), investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção, obstrução da Justiça e organização criminosa.

Leia também:
Os áudios em que Temer avaliza compra do silêncio de Cunha e procurador infiltrado na Lava Jato

Continuar lendo

Publicidade Publicidade