Parlamentares justificam ausência na sessão de Donadon

Abaixo, as explicações de deputados que, por diferentes razões, não puderam participar da votação que manteve o mandato de Natan Donadon

Angelo Vanhoni (PT-PR)

O deputado federal Angelo Vanhoni antecipou seu retorno de Brasília nessa quarta-feira, 28/08, para participar, na manhã de quinta-feira, de um ciclo de debates promovido pela Universidade Federal do Paraná, em parceria com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, sobre os Recursos Educacionais Abertos/REA. Segundo Vanhoni, “na condição de relator do Projeto de Lei nº 1513, que tramita na Comissão de Cultura da Câmara Federal, a respeito da política nacional sobre os Recursos Educacionais Abertos, eu não poderia deixar de comparecer a esse importante debate, com o qual estava comprometido há muito tempo, sobre um assunto diretamente relacionado ao futuro da educação brasileira. Por isso, em função de horários de vôo, retornei de Brasília ao final da tarde de quarta-feira e não participei da votação sobre o caso Donadon. Mas quero deixar claro que sou a favor da cassação do deputado Natan Donadon, como declarei em nota distribuída à imprensa de todo o país entre quinta e sexta-feira.

Cláudio Cajado (DEM-BA):

Nota de Esclarecimento

Ante a ausência a mim atribuída na votação do dia 28.08, que decidiu pela manutenção do mandato do Dep. Natan Donadon, informo que, devido a sérios e inadiáveis problemas de saúde, estive de licença médica e internado por 6 dias, no período de 18 a 23 de agosto, no hospital São José, em São Paulo. Tentei retornar às minhas atividades normais, no entanto ontem passei mal. Dessa forma, a ausência se deu por motivos alheios a minha vontade. Estive impedido de participar da votação por problemas de saúde, nos termos regimentalmente permitidos.

Ressalto que sou a favor da cassação do mandato do Deputado Natan Donadon, inclusive já havia me posicionado em Reunião da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, no dia 9 de julho, quando o afastamos de suas funções parlamentares. A Câmara dos Deputados saiu menor nesse vergonhoso episódio. Só o voto aberto agora, defenderei isso na próxima reunião da Mesa.

Dr. Luiz Fernando (PSD-AM)

Está afastado das atividades legislativas, por meio de atestado para tratamento médico, desde 15 de agosto.

Edson Pimenta (PSD-BA)

Registrou presença. Devido a compromissos agendados anteriormente com representantes do governo da Bahia e da empresa Mondial pela manutenção de 2,5 mil empregos no município de Conceição do Jacuípe (BA), não permaneceu em Brasília.

Eduardo Sciarra (PSD-PR):

Nota de esclarecimento à imprensa: Sciarra votou à favor da cassação de Donadon na CCJC

O líder do PSD, Eduardo Sciarra (PR), esclarece que não esteve presente à sessão de ontem (29) da Câmara dos Deputados por compromissos previamente agendados. O deputado participou das atividades durante o dia e embarcou às 18h50 para São Paulo, e, por esse motivo, constava na lista de presentes na Casa. Esclarece ainda que votou favoravelmente à cassação do deputado Natan Donadon em votação aberta ocorrida na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania.

À frente da liderança ontem à noite, estava o deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ), também relator do processo de cassação de Donadon. Ele defendeu a perda de mandato e disse que “a conduta pela qual Donadon foi condenado é gravíssima e o impede de permanecer como parlamentar”.

Sciarra destaca ainda que a bancada do PSD é a favor da Proposta de Emenda Constitucional nº 196-A, do Senado Federal, que determina votação aberta para a perda de mandato. Ressalta ainda que trabalhará para que a medida seja aprovada o quanto antes. “Em todas as reuniões de líderes chamo atenção para a necessidade de implementarmos o voto aberto logo e evitar esse constrangimento que estamos passando agora. Votei pela perda de mandato de Donadon por uma questão óbvia. É uma grande vergonha a não condenação pela Casa”, disse o deputado.

Eliene Lima (PSD-MT)

Por compromissos previamente agendados com o governador de Mato Grosso, Sinval Barbosa, embarcou no início da noite de ontem (28) para o Estado.

Fernando Torres (PSD-BA)

Retornou para Bahia ainda na terça-feira (27) para participar de compromisso político no município de Iaçu (BA).

Heuler Cruvinel (PSD-GO)

Registrou presença e retornou ao Estado devido ao falecimento do colega de partido, vereador Maxwell Souza. O deputado também votou à favor da cassação do mandato de Donadon na CCJC.

Homero Pereira (PSD-MT)
Encontra-se licenciado por motivos de saúde, desde fevereiro de 2013.

Iriny Lopes (PT-ES)

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Participei da sessão ordinária da Câmara na tarde de quarta-feira e votaria na extraordinária, que se iniciou às 19h, pela cassação do mandato do deputado Natan Donadon. Nunca faltei a sessões que avaliaram cassação de mandato e, como relatora na Comissão de Ética, em 2005, recomendei a perda de mandato (confirmada em plenário) do deputado André Luiz (PMDB/RJ), acusado de tentar extorquir R$ 4 milhões do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para livrá-lo da CPI da Loterj, em 2004, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Portanto, não faria nenhum sentido não comparecer nesta, considerando que já havia me manifestado no mérito pela perda do mandato do parlamentar.

Estou há três semanas tratando de um problema de saúde e realizando exames para descobrir a causa de uma dificuldade respiratória. Ontem, no final da tarde, houve um agravamento do quadro, o que me obrigou a ser atendida de urgência. A médica da Câmara passou uma medicação e recomendou afastamento das funções. Visto que os remédios não têm tido efeito nesses mais de 10 dias de tratamento e em função do agravamento da doença, marquei nova consulta de urgência com pneumologista, em Vitória (ES), que só poderia me  às 8h30 de hoje (quinta, 29/08), e embarquei à noite para o estado.

Faço esses esclarecimentos para que não pairem dúvidas sobre a minha posição em relação ao tema e também para explicar os motivos que me impediram de concretizar meu voto na sessão de ontem (quarta-feira). Agradeço a compreensão de todas e todos e me coloco à disposição para esclarecer quaisquer outras dúvidas.

Jandira Feghali (PCdoB-RJ)

“NOTA OFICIAL SOBRE AUSÊNCIA EM SESSÃO DE CASSAÇÃO DO MANDATO POLÍTICO DE DONADON

Conduta ética, emitir opinião e voto aberto sempre foram as minhas marcas. Já fui atacada, de forma covarde, exatamente por assumir temas polêmicos e me manter fiel a princípios caros a mim e ao partido. No caso da votação da cassação de Natan Donadon, a deputada Manuela D’Ávila, líder do PCdoB, declarou o voto da bancada que, unanimemente e desde sempre, se posicionou a favor da cassação e do fim do voto secreto em processos deste tipo. Doente desde segunda-feira (26), aguardei o quanto pude para votar pela cassação, ciente de minha obrigação. Lamento profundamente o resultado, para nós inesperado, e que nos envergonha a todos, mas não tive condições físicas, agravadas desde o final da tarde, de permanecer em plenário.

Pessoas combativas e guerreiras também adoecem.

Jandira Feghali
Deputada Federal (PCdoB/RJ)
Presidenta da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados

João Lyra (PSD-AL)

Não compareceu ao Congresso nesta semana devido a compromisso político no Estado de Alagoas.

José Carlos Araújo (PSD-BA)

Permaneceu na Câmara ao longo da quarta-feira (28), mas retornou antes da abertura da votação para acompanhar cirurgia de sua esposa, agendada há mais de um mês. Ele acrescentou que, caso estivesse em Brasília, seguiria a orientação da liderança e votaria pela cassação de Donadon.

Manoel Salviano (PSD-CE)

Não compareceu esta semana à Casa devido ao envolvimento em movimentação política, no Ceará, para realização da Convenção de Partido.

Marcos Montes (PSD-MG)

Participou de atividades legislativas durante a quarta-feira, mas retornou antes da abertura da votação para cumprir compromisso político-partidário com o vice-governador, Alberto Pinto Coelho, e três secretários de Estado de Minas Gerais, na cidade de Araguari (MG).

Marcus Pestana (PSDB-MG):

NOTA ENVIADA PELA ASSESSORIA DO DEPUTADO:

Gostaríamos de informar que o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG) não compareceu à sessão de ontem (28/08), que analisou a cassação do deputado Natan Donadon, devido ao trágico falecimento de seu cunhado, Sr. Wilson Guimarães, que sofreu um acidente de carro na BR-040, no dia 27, em Juiz de Fora (MG).

Marcus Pestana lamenta ausência na importante sessão: ‘Estou revoltado com a decisão da minoria da Câmara, um desrespeito ao novo Brasil que nasceu das ruas. Não fosse esse momento familiar tão triste, inesperado e doloroso estaria lá ao lado do PSDB votando pela cassação de Donadon.”

Atenciosamente,

Ludmila Rodrigues
Assessoria de Comunicação
Deputado Federal Marcus Pestana (PSDB-MG)

Odair Cunha (PT-MG)

Nota de esclarecimento:

Gostaríamos de esclarecer que o deputado federal Odair Cunha (PT-MG) não participou da Sessão Extraordinária da Câmara dos Deputados, ocorrida na última quarta-feira, 28/08/2013, que deliberou sobre a cassação do mandato parlamentar de Natan Donadon. Na ocasião, Odair Cunha estava na cidade do Rio de Janeiro cumprindo agenda externa.

Esclarecemos também que no dia 28/08/13 o parlamentar esteve presente na Sessão Ordinária da Câmara, iniciada às 14h, mas não esteve na Sessão Extraordinária que teve início às 19h do mesmo dia. Neste horário o parlamentar já se encontrava no Rio de Janeiro. Ele embarcou em Brasília às 16h, no voo GOL nº 1489, e pousou no Aeroporto Santos Dumont às 18h26. Seu retorno à Brasília foi na quinta-feira, 29/08/13, às 7h37 da manhã, no voo GOL nº 1482.

Informamos ainda que na votação do pedido de cassação de Donadon, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara- CCJ, no dia 21/08/2013, o deputado Odair Cunha, que é membro titular da comissão, estava presente e votou favorável a cassação do mandato parlamentar. (Acesse esta informação no site da CCJ: http://www.camara.leg.br/internet/ordemdodia/integras/1119035.htm).

Importante: a justificativa de ausência na sessão extraordinária já foi formalmente apresentada à Câmara dos Deputados.

Assessoria de Comunicação do deputado federal Odair Cunha (PT-MG)

Rogério Carvalho (PT-SE)

O deputado federal Rogério Carvalho (PT/SE) através das redes sociais, explicou a ausência da Sessão Plenária nesta última quarta feira, quando foi votada a cassação do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO). O parlamentar está preso desde 28 de junho no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde cumpre pena de 13 anos devido à condenação por peculato e formação de quadrilha pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“No Momento da Sessão, eu estava na Casa Civil da Presidência da República, reunido com Dr Luiz Alberto (Casa Civil), Dr Paulo Argenta (Secretaria de Relações Institucionais), Dr Paulo Spiler( MEC) e assessoria do Palácio do Planalto tratando do Programa “Mais Médicos” cuja relatoria está sob minha responsabilidade. Infelizmente não poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo e fui incumbido pelo meu partido de lutar por mais médicos, um grande programa do Governo Federal para o país”, justificou.

Sérgio Brito (PSD-BA)

Registrou presença, mas retornou antes da abertura da votação por compromissos políticos, previamente agendados, no Estado da Bahia.


Veja também:

Caso Donadon: 50 deputados presentes deixaram de votar

Mais sobre Natan Donadon

O deputado federal Rogério Carvalho( PT/SE) através das redes sociais,
explicou a ausência da Sessão Plenária nesta última quarta feira,
quando foi votada a cassação do deputado federal Natan Donadon (sem
partido-RO). O parlamentar está preso desde 28 de junho no Complexo
Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde cumpre pena de 13 anos
devido à condenação por peculato e formação de quadrilha pelo Supremo
Tribunal Federal (STF).
“No Momento da Sessão, eu estava na Casa Civil da Presidência da
República, reunido com Dr Luiz Alberto ( Casa Civil), Dr Paulo
Argenta( Secretaria de Relações Institucionais), Dr Paulo Spiler( MEC)
e assessoria do Palácio do Planalto tratando do Programa “Mais
Médicos” cuja relatoria está sob minha responsabilidade. Infelizmente
não poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo e fui incumbido pelo
meu partido de lutar por mais médicos, um grande programa do Governo
Federal para o país”, justificou.

Continuar lendo
Publicidade Publicidade