Colunistas

Os aprendizados de comunicação no caso William Waack

Patricia Marins e Miriam Moura falam sobre os fatos da semana: o comentário racista feito por William Waack antes da gravação de uma entrevista em frente à Casa Branca, a declaração de Henrique Meirelles sobre suposta candidatura à presidência da República e a liberação de caracteres pelo Twitter

 

 

Os aprendizados de comunicação no caso William Waack

O vazamento do vídeo do jornalista William Waack é um fato de comunicação que remete a muitas questões. Mais do que tudo, é uma mostra do vasto poder das mídias sociais. Em minutos, o caso se tornou viral nas redes, principalmente no Twitter, alçado a trending topic mundial e a um dos mais compartilhados em todo o mundo.

No video, o âncora do Jornal da Globo faz piadas de cunho racista. Após o vazamento, a TV Globo afastou William Waack e emitiu nota sobre o episódio.

O comentário foi feito antes da gravação de uma entrevista em frente à Casa Branca sobre as eleições americanas, no qual o jornalista xinga motoristas que passam buzinando. “Preto, né? Isso é coisa de preto, com certeza!”, disse William Waack. Na nota, a Globo afirma  ser “visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações.  Nenhuma circunstância pode servir de atenuante”.

Os responsáveis pelo vazamento disseram que queriam discutir o racismo. O jornalista alegou ontem (9/11) que não se lembra da fala, mas pediu “sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados”.

A questão aqui, no âmbito da comunicação, diz respeito a um aprendizado de Media Training, que recomenda que o cuidado ao se dar entrevistas deve ser na frente e atrás das câmeras. Isso deve ser redobrado nos tempos atuais, quando qualquer pessoa pode gravar com um celular e distribuir o conteúdo em segundos.

O caso oportuniza ainda outras reflexões na esfera da comunicação. Na atual sociedade em que vivemos, conectada em redes digitais em nível global, são tênues as fronteiras entre o público e o privado. O comentário de William Waack foi feito em caráter privado, antes da gravação. Com o vazamento, tornou-se público e viral e o vídeo com as ofensas racistas se espalhou pela internet.

 

 

Henrique Meirelles é, sim, muito falante

Às vésperas do feriado de Finados, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou à revista Veja que é, sim, presidenciável. Isso foi logo depois de ter dito que achava interessante ser candidato a vice. Mas a seguir  mudou de ideia e alegou que se tratava de uma brincadeira e que vice não seria, mas sempre deixando em aberto a possibilidade de disputar ou não o Palácio do Planalto em 2018.

Há meses, o ministro veste o figurino de defensor incansável da aprovação das reformas, em especial a da Previdência. Concede muitas entrevistas para reforçar a imagem de bom gestor da economia. Mas tem emitido também sinais políticos, como a tentativa de se aproximar dos evangélicos.

 

 

Twitter libera postagens de até 280 caracteres

O twitter facilitou o uso da plataforma para aumentar seu público e agora será possível escrever até 280 caracteres nas postagens da rede social. O anuncio foi feito nesta terça-feira (7) e a liberação já começou, devendo atingir as contas gradativamente. Usuários ativos podem ter um apego emocional com os famosos 140 caracteres, particularidade do Twitter desde sua criação, mas a empresa garante que o novo limite trará muitos benefícios.

O principal argumento é permitir que os usuários utilizem a rede com mais frequência e postem mais rapidamente suas publicações sem precisar fazer muitas edições para se encaixar nos caracteres limitados. Em resposta à mudança, memes surgiram nas redes sociais com destaque para a postagem humorística da atriz Vera Holtz, ao escrever parte da letra da música Faroeste Caboclo (Legião Urbana), conhecida com sua extensa duração, em seu twitter.

 

 

 

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade