Mensagem de Cunha cita repasse de R$ 5 milhões a Temer

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Habituado a trocar mensagem por WhatsApp, Cunha também teve celular apreendido pela PF

Revelações continuam a ganhar o noticiário depois de deflagrada a Operação Catilinárias, fase da Operação Lava Jato em que foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas casas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e de outros investigados. Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo deste sábado (19), o trabalho da Polícia Federal permitiu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reunir indícios de que o vice-presidente da República, Michel Temer, recebeu R$ 5 milhões do proprietário da OAS, José Adelmário Pinheiro. Conhecido como Leo Pinheiro, ele é um dos empreiteiros condenados por participação no esquema de corrupção descoberto pela PF na Petrobras.

A citação ao repasse consta de uma troca de mensagens entre Cunha e Leo Pinheiro, em que o deputado se queixa de que o empreiteiro fez a transferência a Temer e manteve “inadvertidamente adiado” o pagamento a outras lideranças do PMDB. Temer é presidente nacional do partido.

Na sequência das mensagens, trocadas por meio do aplicativo WhatsApp, o empreiteiro pede a Cunha “cuidado com a análise para não mostrar a quantidade de pagamentos dos amigos”. Essa conversa está armazenada no telefone celular de Leo Pinheiro, que foi apreendido pela PF em 2014.

Os registros, enviados por Janot ao Supremo Tribunal Federal (STF), serviram de base para que o ministro-relator da operação, Teori Zavascki, acatasse o pedido de diligências da Catilinárias, na última terça-feira (15). “Eduardo Cunha cobrou Leo Pinheiro por ter pago, de uma vez, para Michel Temer a quantia de R$ 5 milhões, tendo adiado os compromissos com a ‘turma’”, diz o apontamento de Janot reproduzido por Teori em seu despacho.

Em resposta encaminhada ao jornal paulista, Temer apresentou extratos de cinco doações da OAS ao PMDB, devidamente declaradas à Justiça Eleitoral, feitas entre maio e setembro de 2014. O montante é quase igual ao que foi mencionado pelo empreiteiro na troca de mensagens com Cunha – R$ 5,2 milhões. Na conversa por celular, no entanto, demonstra-se que os R$ 5 milhões foram pagos em um único repasse.

“No documento que está nos autos da Catilinárias, que corre em segredo de Justiça, Cunha é descrito como uma espécie de despachante dos interesses da OAS junto ao governo federal, a bancos estatais e a fundos de pensão, mantendo uma relação estreita com Pinheiro, à época o principal executivo da empreiteira. O documento não diz expressamente que o suposto pagamento de R$ 5 milhões a Temer era propina, mas a menção ao vice-presidente aparece em um contexto geral de pagamento de suborno a peemedebistas”, diz trecho da reportagem.

Leia mais no site da Folha

Mais sobre Operação Lava Jato

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/12/1721182-supremo-autoriza-quebra-de-sigilo-fiscal-e-bancario-de-renan.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.

Continuar lendo

Publicidade Publicidade