Sexta, 24 de Outubro de 2014

Mais tempo de TV: prós e contras

Roseann Kennedy O TSE definiu nesta quinta-feira (12) os tempos de propaganda eleitoral gratuita dos candidatos à Presidência da República. A petista Dilma Roussef sai com ampla vantagem. Terá dez minutos para falar na TV e no Rádio (10’38”54). O …

Roseann Kennedy


O TSE definiu nesta quinta-feira (12) os tempos de propaganda eleitoral gratuita dos candidatos à Presidência da República. A petista Dilma Roussef sai com ampla vantagem. Terá dez minutos para falar na TV e no Rádio (10’38”54). O tucano José Serra terá 30% a menos. Ficará com sete minutos (7’18”54). Marina Silva (PV) aparecerá com 1’23”22 e Plínio Sampaio (PSol) também terá um minuto (1’ 01”94).


Os outros cinco candidatos contarão com 55 segundos cada. Rui Costa Pimenta (PCO), José Maria de Almeida (PSTU), José Maria Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e Ivan Pinheiro (PCB).


Ter o maior espaço no horário eleitoral gratuito, no entanto, não garante vitória a ninguém. Mas dá dor de cabeça a mais para quem está em desvantagem no tempo, porque é mais exposição para o adversário.


No entanto, o importante mesmo é como o tempo do “guia eleitoral” é usado. Porque é preciso garantir, em primeiro lugar, a audiência do eleitor, e, claro, passar a mensagem positiva do postulante. 
 
Lá trás, por exemplo, em 1989, Ulysses Guimarães (PMDB) tinha mais de 30% de tempo de televisão além do adversário que vinha na seqüência, mas terminou a eleição em sétimo lugar.
 
Por outro lado, o ex-deputado Enéas, aproveitou os segundos que tinha para imortalizar a frase “Meu nome é Enéas”. Não conseguiu ser eleito presidente, mas conquistou mais tarde vaga na Câmara dos Deputados com resultado recorde de mais de um milhão e meio de votos.  
 
Então, tempo não é tudo, mas é decisivo para os publicitários trabalharem com o espaço que têm.
 
Os programas maiores tendem a ter um formato de revista eletrônica, com entrevistas, povo fala, uso de tabelas comparativas. Há uma tentativa de tentar se aproximar do formato jornalístico ou de cinema.


É possível fazer comparação de biografias, por exemplo. Mas esse recurso eu não acredito que funcione estrategicamente para conseguir votos este ano. A população parece mais interessada em saber como sua vida será melhorada, de forma prática.


E o tempo mais curto? Esse é mais bem aproveitado quando recebe uma linguagem publicitária. Como venda de produtos mesmo. Com textos diretos, objetivos. Além disso, hoje, com os recursos tecnológicos existentes, é possível ser bastante explorado para fixação de mensagens.


Então, a conferir, mas a aposta é de que o horário gratuito terá a Dilma do Lula, a história de José Serra e a Marina Silva do público jovem.
 
A propaganda eleitoral gratuita para presidente, na modalidade bloco, será veiculada às terças, quintas-feiras e aos sábados, às sete horas da manhã e ao meio dia no rádio e à uma hora da tarde e oito e meia da noite na televisão. A programação começa em 17 de agosto e irá até 30 de setembro.


Além dos blocos de 25 minutos, a propaganda gratuita também será veiculada por mais seis minutos diários, divididos em inserções de, no máximo, 60 segundos. Essas vão ao ar das oito da manhã à meia noite, inclusive aos domingos.


Ah! E de acordo com sorteio realizado no dia três de agosto, o horário eleitoral gratuito será aberto com o programa de José Serra. Em seguida, será a vez de Plínio de Arruda Sampaio, Rui Costa Pimenta, José Maria de Almeida, Dilma Rousseff, José Maria Eymael, Levi Fidelix, Marina Silva e Ivan Pinheiro. Nos programas seguintes será adotado o sistema de rodízio, sem prejuízo da ordem estabelecida.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

Deixe um comentário

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade