Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

Só um quarto dos deputados não manda conta da refeição para a Câmara

Apenas 123 deputados optaram por não pedir reembolso com gastos de alimentação. Benefício custou quase R$ 2 milhões aos cofres da Casa no ano passado, revela a Revista Congresso em Foco. Veja quem abriu mão do recurso

Paulo Negreiros/Congresso em Foco

Restaurante no Anexo IV da Câmara é um dos favoritos dos parlamentares

A Câmara gastou R$ 1,87 milhão com as refeições de deputados que pediram o ressarcimento de despesas com café da manhã, almoço, lanche e jantar, entre fevereiro e dezembro de 2015. Dos mais de 540 parlamentares que passaram pela Casa no primeiro ano da atual legislatura, apenas 123 optaram por não apresentar pedido de reembolso de seus gastos com alimentação. O custo médio anual por deputado, algo em torno de R$ 3,7 mil, não é o que chama a atenção. Mas certos detalhes tornam essas despesas curiosas e, eventualmente, muito estranhas. Os gastos dos deputados com alimentação são o principal assunto da mais nova edição da Revista Congresso em Foco. Um dos parlamentares pode ser considerado até o “Ninja do garfo”.

 

Acesse, compre ou assine a revista para ler a reportagem completa

Pela cota para o exercício da atividade parlamentar (Ceap), instituída em 2009, a partir da fusão do beneficio das passagens aéreas e da verba indenizatória, cada deputado tem direito a receber de R$ 30.788,66 a R$ 45.612,53, conforme o estado de origem, para cobrir despesas atribuídas ao mandato. Gastos com transporte, hospedagem, divulgação da atividade parlamentar, consultoria, combustíveis e alimentação, tudo isso pode ser ressarcido, basta apresentar nota fiscal. No caso das refeições, o parlamentar pode comer em qualquer restaurante, de qualquer cidade, inclusive do exterior. A Câmara não é rigorosa na análise da prestação de contas. Limita-se a verificar apenas a regularidade fiscal e contábil dos documentos.

O Congresso em Foco publica, abaixo, a relação dos deputados que preferiram não usar a cota para cobrir despesas com alimentação. Um dos que optaram por essa prática, o deputado Izalci (PSDB-DF) disse que não se sente confortável em utilizar a verba para este fim pelo fato de morar em Brasília. “Eu posso almoçar em casa”. Ricardo Barros (PP-PR) diz que, apesar de considerar legítimo o uso pelos seus colegas, também decidiu não pedir ressarcimento por esse tipo de despesa. Carlos Zarattini (PT-SP) diz preferir investir na própria imagem enquanto parlamentar destinando uma boa fatia para a divulgação de sua atividade no Parlamento. No ano passado foram pouco mais de R$ 50 mil para divulgar o seu mandato. Não pediu reembolso de nenhum centavo por alimentação.

Veja a lista dos que não pediram ressarcimento à Câmara por despesas com refeição:

Tabela atualizada em fevereiro de 2016

 

Acesse, compre ou assine a revista para ler a reportagem completa

Mais sobre verbas e cotas

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:

comments powered by Disqus
Publicidade Publicidade