Lava Jato: Odebrecht relata repasse de R$ 23 milhões a Serra via caixa dois

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência Brasil

José Serra nega as acusações e disse que não comenta supostas delações

 

 

A Odebrecht apontou aos investigadores da Lava Jato dois nomes de intermediários que desempenharam a função de operadores do ministro de Relações Exteriores, José Serra, para receber R$ 23 milhões via caixa dois na campanha presidencial do tucano em 2010. Segundo relato de executivos da empresa, parte da quantia foi paga por meio de transferência para uma conta na Suíça. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

A negociação, segundo depoimento dos executivos, foi feita com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, que pertencia ao PSDB à época, mas atualmente está no PSD. O ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), próximo ao ministro e conhecido como homem forte de arrecadação entre o tucanato, também teria participado do esquema.

O relato sobre os pagamentos foi feito por dois executivos da Odebrecht durante depoimento do acordo de delação premiada feito com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a força-tarefa da Polícia Federal. Um deles é Pedro Novis, membro do conselho de presidente da empresa entre 2002 e 2009. O outro é Carlos Armando Paschoal, diretor da empreiteira.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a empreiteira doou oficialmente para a campanha de Serra em 2010 R$ 2,4 milhões para o Comitê Financeiro Nacional da campanha do PSDB à Presidência. Em valores corrigidos, a quantia sumaria R$ 3,6 milhões. Aos procuradores, os executivos afirmaram que o valor do caixa dois foi acertado com a direção nacional do PSDB, que depois teria distribuído parte dos R$ 23 milhões a outras candidaturas.

Por meio de sua assessoria, José Serra respondeu à Folha que “não vai se pronunciar sobre supostos vazamentos de supostas delações relativas a doações feitas ao partido em suas campanhas”. Reiterou, ainda, que não cometeu irregularidades.

Já o empresário Ronaldo Cezar Coelho preferiu não comentar o assunto, mas negou que tenha feito trabalhado na arrecadação para o tucano. Já Márcio Fortes não foi encontrado pela reportagem.

Veja a íntegra da matéria da Folha

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Publicidade Publicidade