Lava Jato faz sua primeira prisão no exterior

Geraldo Magela/ABr

Ex-diretor da Petrobras, Jorge Luiz Zelada, que está preso em Curitiba, é apontado como sócio de Raul Schmidt

A força-tarefa da Operação Lava Jato prendeu, nesta segunda-feira (21), em Lisboa, o brasileiro Raul Schmidt Felippe Junior, acusado de ser um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras. Esta é a primeira prisão da Lava Jato no exterior, que chega, agora, à sua 25ª fase, batizada de “Polimento”. Ele estava foragido desde julho do ano passado.

Segundo o Ministério Público Federal, Raul Schmidt repassava propina aos diretores da estatal Renato Duque (Serviços), Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada (da área Internacional), presos em Curitiba. O empresário é apontado como sócio de Zelada, apontado como um dos operadores do PMDB no esquema.

O apartamento em que o operador morava em Portugal, avaliado em 3 milhões de euros, também foi alvo de busca e apreensão. Os mandados foram cumpridos pela Polícia Judiciária e pelo Ministério Público português. De acordo com os investigadores, Raul Schmidt também “aparece como preposto de empresas internacionais na obtenção de contratos de exploração de plataformas da Petrobras”.

O Ministério Público Federal informou, ainda, que Raul, que tem nacionalidade brasileira e portuguesa, mudou-se para Portugal em julho do ano passado, após ter sua ordem de prisão expedida. Ele vivia, até então, em Londres, onde mantinha uma galeria de arte. O nome do acusado estava incluído desde outubro no alerta de difusão da Interpol.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Publicidade Publicidade